As contas na geringonça

Raul Vaz

As contas na geringonça

Está Jerónimo disposto a abdicar das benesses ao eleitorado do PCP?
  • 0
  • 8
Por Raul Vaz|20.10.17
  • partilhe
  • 8
  • 0
Foi preciso outra tragédia para o Governo acordar. E perceber que além de pessoas (funcionários públicos, pensionistas, desfavorecidos) e números (recorde no défice, saída de procedimento excessivo, regresso tranquilo aos mercados) há um país onde tudo isto coexiste.

E foi nesse país que morreram mais de 100 pessoas em incêndios em quatro meses, por incúria do Estado. Tempo em que, sabe-se agora, na primeira linha da cadeia de comando habitava uma ministra demissionária, contrariada, sem força ou convicção para saltar obstáculos.

Quatro meses em que o Governo distribuiu flores de lapela num país de feitos económicos nunca vistos. Foi preciso o Presidente da República impor realismo para que deveres anestesiados voltassem à Terra.

De repente, os feitos orçamentais já não são intocáveis, a folga tem outras prioridades. É um teste de monta para a geringonça. Jerónimo de Sousa perguntou a Costa se estava disposto a investir na floresta o mesmo que custou a solução do Banif.

Costa podia devolver a pergunta: está Jerónimo disposto a abdicar de parte das benesses ao eleitorado do PCP para salvar a floresta? A geringonça já provou a sua força nas reversões e distribuições. Enfrenta agora a sua falta de vocação para reformar o país.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)