O banquete orçamental

Raul Vaz

O banquete orçamental

Não se cortando a despesa, o bolo a distribuir continuará exíguo.
  • 0
  • 0
Por Raul Vaz|08.09.17
  • partilhe
  • 0
  • 0
Vem aí o Orçamento do Estado, e com ele o movimento antecipatório das pressões sobre o Governo. São os sindicatos e as respetivas classes profissionais – professores, enfermeiros e tudo o resto da função pública – à procura de influenciar as escolhas do Executivo e conseguir para si melhores condições laborais e de vencimento para o próximo ano.

Não há nada de errado nisto, a existência de corporações fortes pode ser de extrema utilidade para a coesão social. O problema pode vir é do outro lado, de quem recebe estes ‘cadernos de encargos’ e a quem cabe decidir o que fazer em cada situação. Naturalmente, na maioria dos casos – que não em todos – não se discute a razão das reivindicações, que são justas para quem as defende. O que se pode e se deve discutir são as prioridades.

O último ano deu-nos uma ilusão de facilidade, de problema resolvido, o que está longe de ser verdade. Não se cortando a despesa, o bolo a distribuir continuará a ser exíguo para acorrer a todos os que reclamam e, pior ainda, a todos os que efetivamente mais precisam. Todos os Orçamentos são feitos de escolhas. Este, depois da febre das rever
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)