Democracia por medida

Rui Hortelão

Democracia por medida

Portugal continua a formatar a transparência às conveniências.
  • 0
  • 1
Por Rui Hortelão|23.01.17
  • partilhe
  • 1
  • 0
Em Portugal continua alegremente a formatar-se a transparência à medida das conveniências. Na democracia por medida, que muitos cultivam, não há limites.

Dois exemplos da última semana: 1- O Tribunal da Relação considerou que "evidencia-se um indiscutível interesse público na aferição da real situação" da CGD e ordenou que o banco entregue ao Parlamento os documentos que tem escondido dos portugueses. PSD e CDS aplaudiram a decisão, o PCP preocupou-se apenas com a fragilização do banco e o PS nem queria que o pedido tivesse seguido para tribunal.

2- Em ano de autárquicas, o Governo reforça o poder das Comissões de Desenvolvimento Regional (CCDR). A medida é positiva, escusava era de implicar enorme subida da despesa: os presidentes vão custar mais 29% (5823€); os vices são aumentados 1500€ por mês e os vogais, que nem existiam, vão ganhar mais do que os antigos presidentes. O Governo, e bem, exige que os titulares sejam licenciados.

Mas a Associação de Municípios está contra. E até lembra que para ser autarca, Presidente da República ou deputado não é preciso canudo. Esquece-se é que esses são eleitos pelos cidadãos, enquanto os senhores da CCDR sê-lo-ão por círculos de autarcas. É ou não democracia à medida?
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)