Em tempo

Teófilo Santiago

Em tempo

As rasteiras dos cobardes valem pouco, comparadas com o todo vivido.
  • 0
  • 122
Por Teófilo Santiago|23.12.16
Na roleta da vida, que é a dos investigadores criminais, levam-se alguns murros, caneladas e até patadas. Mas isso o tempo apaga. O que não se esquece e deixa marcas são as rasteiras dos cobardes que não aguentando o "cara a cara" atacam por trás, à sorrelfa, quem confiante e tranquilo segue o seu caminho.

Mas isso vale pouco em comparação com o todo vivido. O que fica e conta são os tempos - atribulados mas bons - compartilhados ao longo dos anos com mulheres e homens de grande qualidade. Gente corajosa, leal e generosa que acredita naquilo que faz, não desiste e nunca vira a cara às dificuldades, nada exigindo em troca a não ser o reconhecimento e o respeito que merece e lhe é devido por quem para com eles tem especiais obrigações.

Reconhecimento que tarda em chegar e respeito que não se mercadeja – com promessas fátuas e de oportunidade, com palmadas nas costas ou falinhas mansas –; conquista-se, falando verdade, dando o exemplo e tendo uma presença efetiva e tranquilizadora na adversidade e nas armadilhas da vida. Mais do que desejar, é isso que se exige!

Nesta época festiva muitos deles estarão a trabalhar. Para eles e para si vão os meus votos de Boas Festas. Fiquem bem e até um dia!!
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)