Sub-categorias

Notícia

Por Francisco J. Gonçalves|19.04.17
  • partilhe
  • 0
  • 0
O referendo na Turquia, pejado de irregularidades, como se adivinhava, coloca questões sobre a concentração de poderes numa só pessoa, num regime ainda formalmente democrático mas há muito a caminho de outra coisa.

Na Turquia, como na Rússia ou na Venezuela, os cidadãos ainda votam com alguma liberdade mas, paradoxalmente, inclinam-se para líderes pouco amigos dela. Putin e Erdogan têm largas margens de apoio, e estas não se explicam só pela propaganda.

A Turquia de hoje resultou de uma reforma imposta à força que retirou poder aos líderes religiosos e impôs regras e costumes europeus. Erdogan, agora que a UE está fora do horizonte, pisca o olho aos descontentes dessa reforma que iniciou um século de modernização, laicismo e liberdade, valores esses a que agora os turcos dizem adeus.

Atatürk não foi um democrata, mas abriu caminho à democracia. Erdogan quer fazer o caminho inverso. Com o regresso da pena de morte, o presidente, que enclausurou milhares de putativos conspiradores, prepara-se para uma purga mais radical. Quem agora disser que o rei vai nu arrisca demasiado. Vão rolar cabeças na Turquia e não é só uma metáfora.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)