Sub-categorias

Notícia

A história do conflito fiscal entre Ronaldo e a administração tributária espanhola é exemplar das dificuldades que os Estados democráticos têm em tributar os rendimentos reais dos contribuintes, quando os ganhos não são exclusivos do trabalho.

Os avanços informáticos e o cruzamento de dados torna impossível a fuga dos trabalhadores por conta de outrem e dos pensionistas. Mas com o desenvolvimento dos offshores e com verdadeiros paraísos fiscais no seio da União Europeia, criou-se uma indústria de advogados e consultores que ameniza a carga fiscal dos verdadeiramente ricos.

O caso dos futebolistas na mira do Fisco espanhol, no qual se incluem CR7, Coentrão e outras estrelas ligadas ao superagente Jorge Mendes ilustra como esses paraísos fiscais funcionam. O campeão de futebol usou o campeão europeu de impostos baixos, a Irlanda, para faturar dezenas de milhões de euros dos contratos publicitários. Estes esquemas lembram que na Europa, se todos os cidadãos são iguais, uns são  mais iguais do que outros.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)