Sub-categorias

Notícia

Por Padre António Rego|16.10.16
  • partilhe
  • 1
  • 0
Não leio os jornais de ponta a ponta. Mas por todos passo os olhos pelos títulos e vejo como estão ou não distantes do que se conta ou reflete. De tudo acontece, entre o excelente, o medíocre e o repelente.

O que tenho reparado é o excesso de pistolas e de facas, instrumento doméstico feito arma de agressão e que surge cada vez mais na informação tingido de sangue.

Algo se está a passar: ou a tradução crua da realidade ou a narrativa do crime como chamariz para os leitores que, de vítimas de informação, se podem tornar em aprendizes de crime. E da vida pode ficar uma sensação de náusea ou um encolher de ombros onde não há nada a fazer.

É verdade que muita informação é inteiramente inútil e apenas conforta a liberdade de expressão. Censura? Claro que não. Mas não podemos escapar ao desafio que nos lança a crónica da violência com a naturalidade de quem narra um desfile de modelos.

Escrevo em Fátima, diante de uma multidão que reza e transmite o abraço da paz. E daqui a momentos irá acenar os lenços brancos no adeus à passagem da Virgem. É um gesto de emoção mas de verdade dum povo. Serão mais interessantes as notícias de violência, mediocridade ou intriga que ocupam tanto tempo e espaço na nossa informação de hoje?

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)