Sub-categorias

Notícia

Por Armando Esteves Pereira|28.11.16
A demissão de António Domingues era um episódio esperado na triste novela da CGD. Agora urge encerrar o folhetim e escolher rapidamente e bem um gestor competente que lidere o banco público no exigente plano de recapitalização e faça bom uso do dinheiro dos contribuintes.

Com os bancos privados sob tutela estrangeira é importante ter uma CGD portuguesa e pública. Mas para cumprir o seu papel tem de ser bem gerida e útil para a economia e não o banco de cobrança de favores políticos, como foi demasiadas vezes num passado recente, até 2011.

A escolha de Domingues, um gestor competente da equipa de Ulrich no BPI, acabou por revelar-se num erro de casting por causa da novela da entrega de declaração. Mas o Governo e, particularmente o ministro das Finanças e o secretário de Estado, Mourinho Félix, cometeu demasiados lapsos.

Há vários gestores em Portugal com provas dadas em momentos difíceis. Paulo Macedo, ex-ministro da Saúde e homem que mudou a administração tributária, é um deles. Oxalá o Governo tenha mais sabedoria do que teve até agora.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)