Sub-categorias

Notícia

Por João Pereira Coutinho|13.10.17
Quando José Sócrates foi detido, começou o contra-relógio: falo de políticos ou comentadores que, dia sim, dia sim, perguntavam pela acusação. A manobra era óbvia: condicionar o trabalho da justiça. Mas era também mentecapta: os mesmos que denunciavam o atraso da acusação desconheciam por completo a dimensão (e a complexidade) do processo.

E ignoravam que esses atrasos eram também imputáveis à estratégia da defesa.

Pois bem, a acusação chegou. E os dados revelados permitem concluir que não era possível fazer melhor no tempo disponível. Para o MP, não estamos na presença de crimes vulgares; mas de um complô entre os poderes político, económico e financeiro para controlar a democracia e saquear Portugal.

Presunção de inocência? Sem dúvida. Mas este processo simboliza já uma vitória: depois de anos de reverência perante o poder, a justiça mostrou aos portugueses que ainda serve para alguma coisa.
Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)