Sub-categorias

Notícia

Um país de luto

Bruno Figueiredo

Um país de luto

Não é um qualquer que inicia um turno resignado ao pior que pode acontecer.
  • 0
  • 283
Por Bruno Figueiredo|17.10.16
Os crimes de Aguiar da Beira assombraram a última semana. As minhas palavras vão para a memória das vítimas, para os seus familiares e amigos. Dois jovens, um deles militar da GNR, perderam a vida.

A vítima civil encontrava-se no lugar errado à hora errada. Ele e a esposa, ainda a lutar pela vida, dirigiam-se a Coimbra para uma consulta de fertilidade. A dor e o pesar aumentam perante o infortúnio daquele jovem casal cujos sonhos foram roubados.

Já o militar da GNR não estava no sítio errado à hora errada. Estava onde tinha que estar. Tal como o colega que o acompanhava, contra si tinha a farda que envergava e o juramento que fez. O sobrevivente necessitará de toda a força e apoio psicológico para ultrapassar aquele dia fatídico em que assistiu a toda a barbárie.

Aos profissionais das forças e serviços de segurança, bastam os inimigos externos. Internamente, necessitam de estabilidade, de meios e de reconhecimento.

Não é qualquer profissional que inicia um turno laboral resignado ao pior que pode acontecer: ser ferido, perder a vida, assistir à morte de um colega ou de um civil que jurou proteger. Tudo isso faz parte de uma condição policial que urge valorizar.

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Subscrever newsletter

newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)