Sub-categorias

Notícia

Líder islâmico agride mulher à cotovelada

Companheira do sheik Munir agredida, em Lisboa.
Por Miguel Curado|08.08.15
Líder islâmico agride mulher à cotovelada
David Munir (à dir.) e Nazira estão casados desde janeiro de 2014. Vivem na Mesquita de Lisboa, onde ocorreu a agressão Foto DR
Osheik David Munir, líder da Mesquita Islâmica Central de Lisboa, é acusado pela mulher de lhe ter desferido duas cotoveladas, deixando-a a esvair-se em sangue, e com necessidade de internamento hospitalar. Confrontado pelo Correio da Manhã com estas denúncias, David Munir não comentou.

Os factos, segundo refere o auto policial a que o CM teve acesso, ocorreram pouco depois da meia-noite de terça-feira, 4 de agosto, no quarto do casal dentro da mesquita. Nazira Barakzay, uma refugiada do Afeganistão de 29 anos, casada com David Munir, de 52 anos, desde janeiro de 2014, afirmou à PSP ter discutido com o marido. A mulher diz ter sido insultada, deitando-se em seguida. Foi então que o sheik a atingiu com duas cotoveladas no nariz.

Nazira disse aos agentes ter saído do quarto, em busca de ajuda. Telefonou a uma amiga afegã, que chamou o socorro. À PSP, David Munir começou por desmentir a agressão, vindo a acusar Nazira de ter doença bipolar.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De seixal08.08.15
    e esta heim. quem havia de dizer que o sheik que ate era ouvido nas tvs, sobre questões religiosas, era capaz de uma coisa destas. vá lá a gente acreditar.
23 Comentários
  • De ngrsngll18.11.15
    Estas pessoas dos comentários não querem acordar, é um estado de negação incrível. Ver se percebem, o Islão é o problema desde o início, abram os olhos. Fãs Turcos de futebol apuparam durante o minuto de silêncio em honra às vítimas de Paris, simples pessoas Islâmicas. Em Lisboa já houve furtos de Sírios a gritarem "isto vai ser nosso", "Portugal é baixo" e quantos outros insultos. Vários ataques de migrantes por toda a Europa que a comunicação social continua a não passar. Acordem.
    Responder
     
     0
    !
  • De  Anónimo 13.08.15
    Isso aconteceria se a Senhora, a Policia, amigas ou o mesmo o hospital sentisse que a integridade física da pessoa estivesse em risco?
    Não sou ninguém para julgar o sucedido, mas penso que se deve dar o beneficio da dúvida a toda a gente,
    tendo também em conta que se trata de uma pessoa que nunca teve nenhum comportamento agressivo.
    Com a queixa apresentada de certeza que o assunto vai a tribunal, deixemos que a justiça traga as respostas.
    Se for verdade, justiça será feita.
    Responder
     
     6
    !
  • De  Anónimo 13.08.15
    Antes de qualquer julgamento deve-se tentar perceber o que se passou.
    Como refere a noticia, a esposa estava em tratamento devido a sua doença de bipolaridade.
    Só quem passa por uma situação parecida é que sabe como é uma situação complexa.
    Depois de tudo a esposa regressa à mesquita, e permanece lá até hoje tendo uma casa em Odivelas e recebendo apoio do Estado?
    Responder
     
     -3
    !
  • De nimbeluntangamai10.08.15
    O meu comportamento de um religioso não quer dizer que a religião tenha os princípios violentos.
    Responder
     
     -4
    !
  • De leonardocirqueira09.08.15
    Pasmem ficou louco em saber que Portugal está sendo islamizado novamente, um país tão lindo e maravilhoso que sofreu anos para poder se safar das invasões islâmicas, isso e o preço que paga por não recordar ao passado, para acontecer novamente. Depois falam que o homem Ocidental e ''machista e opressor'' lol, quando saber o verdadeiro sentido da opressão será tarde de demais.
    Responder
     
     -4
    !

Mais notícias

Mais notícias de Portugal

pub