Cadeia sem luz por avaria

As cenas de ratos a passear nas celas e nos balneários da cadeia não são exclusivo dos filmes policiais americanos. No Estabelecimento Prisional do Montijo (EPM), os roedores "passeiam--se também pela cozinha", deixando um perigoso rasto para a saúde dos reclusos e dos guardas prisionais, denuncia um elemento da prisão.
06.08.09
  • partilhe
  • 0
  • +
Cadeia sem luz por avaria
Os funcionários queixam-se de falta de higiene e segurança na prisão Foto Jorge Godinho

Mas as anomalias relacionadas com a alegada falta de higiene e condições de segurança não se ficam por aqui. Falta electricidade em diversos sectores do estabelecimento e, para fazerem face ao problema, os guardas vêem-se obrigados a recorrer a uma lanterna.

'Se um preso chega à noite, tem de ser recebido e revistado à luz da lanterna', queixa-se a mesma fonte, sublinhando os riscos associados a este tipo de actuação. O recurso à iluminação portátil é indispensável também na zona 'da portaria, do gabinete do guarda de serviço e da casa de banho dos guardas', devido à avaria.

A semana passada, a direcção do EPM decidiu mandar encerrar a cantina onde os guardas e funcionários tomavam as refeições, 'sem avisar e sem dar explicações'.

Segundo elementos do corpo da guarda prisional, esta medida é encarada como 'uma represália' pelas discordâncias verificadas durante a última greve dos guardas prisionais. É que as receitas obtidas na cantina eram utilizadas para apoiar a participação dos guardas num torneio ibérico de Futsal.

Informada dos problemas funcionais e estruturais da cadeia, a direcção do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) pediu para visitar o estabelecimento e reunir com os seus associados. A resposta foi negativa.

'Fomos impedidos de visitar a cadeia e só nos deixaram reunir na sala de espera das visitas, um local sem o mínimo de condições', acusa Jorge Alves, presidente do SNCGP. A Direcção-Geral dos Serviços Prisionais, contactada ontem pelo CM, não reagiu a estas acusações até à hora do fecho da nossa edição.

PORMENORES

INSTALAÇÕES

O Estabelecimento Prisional do Montijo foi criado em 1971 e está instalado no edifício onde em tempos funcionou a cadeia comarcã.

PREVENTIVOS

A população prisional do EPM é constituída por reclusos em prisão preventiva. Segundo dados da DGSP, estão sobretudo à ordem dos tribunais das comarcas de Barreiro, Benavente, Coruche, Moita, Montijo e Seixal.

ACTIVIDADES

O estabelecimento tem quatro pátios exteriores destinados a recreios, prática de actividades desportivas e de formação, dado que um tem área coberta.

TRABALHO

A biblioteca do EPM tem mais de 2500 obras à disposição dos reclusos. No campo laboral, existem presos que se dedicam ao fabrico de tapetes de arraiolos, produção de peças em mármore, jardinagem e acabamentos finais de borrachas.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!