Sub-categorias

Notícia

"Ele acorrentava-me à cama todas as noites"

Vítima contou aos juízes que foi ameaçada de morte. Era queimada com cigarros.
Por Ana Isabel Fonseca|21.04.17
Com a voz trémula e sempre de lágrimas no rosto, a mulher de 49 anos relatou ontem ao coletivo de juízes do Tribunal de Matosinhos os 15 anos de terror que viveu às mãos do companheiro, Carlos Costa. Contou que era agredida, insultada e queimada com cigarros. Disse ter sido acorrentada à cama durante 61 noites, sendo forçada a fazer as necessidades fisiológicas num bacio. Em maio de 2016, foi alvo de tentativa de homicídio no apartamento onde vivia, na Maia.

"Ele acorrentava-me à cama todas as noites"
"Tive de me pendurar num terceiro andar, como se fosse eu que me quisesse matar. Depois apareceu um vizinho que disse ‘não faças isso’ e ele puxou-me para cima. Depois, disse que se eu fizesse queixa me mandava para o cemitério", recordou a vítima, que saiu de casa nesse mesmo dia.

A mulher - que falou na ausência do arguido - contou ainda que Carlos, que era sucateiro, metia cadeados na porta de entrada e controlava os seus passos. "Ele tinha um machado e uma motosserra na cama e dizia que era para me cortar aos bocadinhos. Acorrentava-me todas as noites, metia um cadeado no meu tornozelo e dizia que era para eu não fugir", explicou ainda a mulher, que chegou a ser ferida num braço com uma rebarbadora.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Portugal

pub