Explosão causa chuva de pedras

Rebentamento projetou fragmentos até 1 km de distância.
Por Liliana Rodrigues|29.09.15
Explosão causa chuva de pedras
GNR está a investigar. Em baixo, Manuel Nogueira e as pedras projetadas
"Choveram pedras. Desta vez exageraram com os rebentamentos. O estrondo foi tal que parecia o fim do Mundo. Caíram três pedras no pátio de minha casa, por sorte não estava ninguém cá fora àquela hora." Manuel Nogueira estava ainda incrédulo, ontem, após um rebentamento que considera "fora do normal" na pedreira Secil Britas, em Portela, Vila Nova de Famalicão. Três casas e dois carros sofreram danos. Ninguém da empresa se mostrou disponível para esclarecimentos.

Eram 11h50 – dez minutos antes da hora autorizada para a explosão – quando o estrondo assustou os moradores da avenida do Paço, a cerca de um quilómetro da pedreira. "Foi um barulho enorme. Ouvimos pedras a cair, uma delas bateu num portão e amassou-o todo. Não pode ser assim", salienta uma das moradoras. "As casas já estão todas rachadas, por causa dos rebentamentos que há todos os dias, mas hoje [ontem] foi de mais", sublinha.

"Esta pedra foi projetada com tanta força que bateu no topo do anexo e partiu um tijolo, depois ainda embateu na parede de casa e só parou no outro lado", mostrou Manuel Nogueira.

pub

pub