Sub-categorias

Notícia

Furto de metralhadoras ainda sem culpados

Dois ex-militares suspeitos respondem apenas pelo furto de munições de guerra.
Por Sérgio A. Vitorino|16.07.17
Furto de metralhadoras ainda sem culpados
Espingarda automática HK G36 furtada à Marinha em 2011 e apreendida pela PSP num barracão em Rio Maior, em 2013 Foto Bruno Colaço
Um sargento Fuzileiro ia mostrar uma exposição de armamento à namorada, num domingo de agosto de 2011, quando se deparou com a sala arrombada e seis armas de guerra desaparecidas: uma pistola HK USP; outra Walter P38; uma pistola metralhadora HK MP5; outra HK MP7; e duas espingardas automáticas HK G36. Seis anos depois, e após uma investigação da PJ Militar, ainda não há culpados e apenas uma das espingardas da Marinha foi recuperada pela PSP. Dois ex-militares estão acusados apenas do furto de munições.

De acordo com os autos no Ministério Público, a que o CM teve acesso, as armas estavam numa sala na base de Fuzileiros, no Alfeite. Uma porta-grade em metal, fechadura e cadeado foram arrombados. "O alarme montado encontrava-se avariado", diz a investigação. Numa janela estava uma pegada de bota militar. A equipa de intervenção dos Fuzileiros de serviço, 30 outros que nessa semana passaram à reserva, e todos os que estiveram na base de 10 a 14 de agosto, foram inquiridos.

A PJ Militar recebeu várias denúncias anónimas. Uma levou a um fuzileiro que guardava em casa centenas de munições para armas de guerra. Este disse que as tinha acumulado após treinos de tiro, para "recordação" e futuros exercícios.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!

Mais notícias

Mais notícias de Portugal

pub