Sub-categorias

Notícia

Juíza aceitou que avô fosse a visita

A juíza Madalena Caldeira, que presidiu à conferência de pais realizada uma semana antes da morte de Cláudio Rio Mendes –assassinado a tiro pelo ex-sogro em Fevereiro do ano passado, no parque da Mamarrosa, em Oliveira do Bairro – afirmou ontem no tribunal de Anadia que autorizou que o engenheiro Ferreira da Silva estivesse presente nas visitas da vítima à filha.
13.10.12
  • partilhe
  • 0
  • +
Juíza aceitou que avô fosse a visita
António Manuel Arnaut foi ontem ouvido em tribunal por ser o advogado que defendia a juíza Ana no processo de regulação paternal. Foto nuno fernandes veiga

"Recomendei que alguém da família materna estivesse na visita. A drª Ana indicou o nome do pai e disse que ele tinha uma boa relação com o ex-genro", contou.

A testemunha frisou, no entanto, que apenas um familiar podia estar na visita e que deveria manter-se sempre à distância. "Se não fosse o avô, podia ser outra pessoa. A intenção era que o pai estivesse com a filha. Não era suposto que alguém andasse sempre em cima deles", contou a magistrada que classificou Ana Joaquina como "excessivamente protectora" para com a filha.

Na sessão de ontem foi também ouvido António Manuel Arnaut, o advogado que defendia a juíza Ana no processo de regulação do poder paternal. "A drª Ana tinha dito que o Cláudio tinha uma doença mental, mas para mim era uma pessoal normal. Na altura apeteceu-me dar duas palmadas em cada um, se calhar as coisas tinham-se resolvido. Como juíza e advogado tinham a obrigação de ter resolvido as coisas", disse.

A testemunha recordou ainda que Cláudio recusou ver a filha nas instalações da segurança social, atitude que considerou "louvável".

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
2 Comentários
  • De Carlos Fernandes13.10.12
    Engraçado, têm sempre os melhores advogados, e até aposto que não pagam nada. Que pensam os psicólogos,principalmente os infantis, sobre este caso?É estranho,o assassino do pai ver a filha deste,que lhe dizem?
    Responder
     
     0
    !
  • De Nikita13.10.12
    Pelo relato do advogado, terá razão no que diz, quem deve ter doença mental obsessiva, é a mãe da criança.Devia ser penalizada por saber das intenções do assassino para matar o pai da sua filha e não o evitou.Má juíza.
    Responder
     
     3
    !

Mais notícias

Mais notícias de Portugal

pub