Sub-categorias

Notícia

Líder do ‘gang da kalashnikov’ nas ruas alarma polícias

Mal saiu da cadeia, o líder do ‘gang da kalashnikov’ quis mostrar poder e disparou sobre a casa da ex-namorada. Mas, acima de tudo, Fábio dos Santos mostrou que continua bem armado, depois da ordem de libertação por part do Tribunal da Relação de Évora, decisão que deixou revoltados elementos da PJ, GNR e PSP ao serviço no Algarve.

28.10.11
  • partilhe
  • 0
  • +
Líder do ‘gang da kalashnikov’ nas ruas alarma polícias
Fábio é suspeito de ter sido responsável por ataque a casa em Paderne com rajadas de metralhadora Foto MIGUEL VETERANO JÚNIOR

"Ainda vai matar um polícia ou um inocente", alertou ao CM um operacional da GNR que anteontem esteve envolvido nas operações de caça ao jovem de apenas 19 anos que disparou, pelo menos, um tiro sobre a casa da ex-namorada, em Albufeira.

A PJ está a investigar as circunstâncias do disparo, em Arcadas de S. João. Os investigadores, igualmente revoltados com a libertação, continuam a reunir provas do ataque a uma casa em Paderne com rajadas de uma metralhadora AK-47, arma russa militar de que as autoridades continuam sem rasto.

"Anda armado como forma de amedrontar qualquer pessoa que se mova contra ele", avisou um militar da GNR, em Julho, no julgamento em Portimão que condenou Fábio a sete anos e meio de prisão, por furtos. O militar pediu mesmo protecção pessoal por receio de vir a ser alvo de uma retaliação. Fábio já fugiu várias vezes a operações policiais, com troca de tiros. Acabou detido em Évora, pela PSP, a 29 de Julho. Ficou em prisão preventiva ao abrigo do acórdão que o condenou em Portimão. O Tribunal da Relação deu provimento a um recurso e ordenou a sua libertação.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
1 Comentário
  • De Cruz03.11.13
    Tão simples quanto isto, há um prazo máximo para o o indivíduo estar em prisão preventiva,esse prazo é ultrapassado, o advogado interpõe recurso, à luz da lei o tribunal não pode fazer mais nada se não libertá-lo.
    Responder
     
     0
    !