Sub-categorias

Notícia

Militar chora ao ser absolvido

GNR atingiu a tiro suspeito de roubo durante perseguição.
Por João Tavares|11.12.15
Militar chora ao ser absolvido
O militar Tiago Ameixinha entrou e saiu do tribunal de Sintra sem prestar declarações Foto David Martins
Na madrugada de 3 de maio de 2013, Tiago Ameixinha, militar da GNR de 29 anos, salvou um colega. Numa perseguição em Torres Vedras, um homem em fuga acelerou a carrinha na direção do militar Fábio Santos e Tiago disparou para os pneus. A bala acabou por atingir o suspeito nas costas. Esta quinta-feira, Tiago chorou ao ser absolvido no tribunal de Sintra.

Os colegas receberam louvores pela ação policial, mas Tiago Ameixinha foi acusado de ofensa à integridade física qualificada. Esta quinta-feira, no tribunal, abraçou a família à saída da sala. Foi ilibado de pagar 30 mil euros de indemnização ao suspeito de roubo.

A juíza disse ter ficado provado que foi um tiro "baixo", numa ação "legítima". O suspeito fugia à 40 km da GNR e teria tentado atropelar os militares por diversas vezes.


pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De  Anónimo 11.12.15
    Muito bem, fez-se justiça.<br/>Parabéns ao militar e à Juíza.
4 Comentários
  • De LFVV13.12.15
    As Autoridades, têm que ser respeitadas!... Se algum elemento procede mal... há mecanismos legais para o cidadão honesto se defender.
    Responder
     
     13
    !
  • De JBBD11.12.15
    Parabéns a justiça, porque alguns juizes começam a querer ser realmente justos e imparciais.
    Responder
     
     36
    !
  • De nevespinto11.12.15
    Seria de esperar e não necessitava de tanto tempo para esta decisão...Mas,como as coisas acontecem ,será que ainda se esperava o contrário?...Quem não deve não teme,as autoridades devem ser respeitadas ...
    Responder
     
     40
    !
  • De  Anónimo 11.12.15
    Muito bem, fez-se justiça.
    Parabéns ao militar e à Juíza.
    Responder
     
     41
    !

Mais notícias

Mais notícias de Portugal

pub