Sub-categorias

Notícia

Pena suspensa para mãe de criança afogada

Tribunal concluiu que mulher se encontrava em estado depressivo e "nada fez para salvar" o filho.
02.10.13
  • partilhe
  • 0
  • +
Pena suspensa para mãe de criança afogada
Anabela Fernandes vai ficar com pena suspensa Foto Rui Manuel Fonseca

O Tribunal de Gaia condenou esta quarta-feira a cinco anos de prisão, com pena suspensa, a mãe do menino de seis anos que morreu afogado há quatro anos, concluindo que a arguida, em estado depressivo, "nada fez para o salvar".

O menino foi encontrado morto no dia 29 de outubro de 2009, no esteiro de Avintes, em Vila Nova de Gaia, tendo a mãe sido resgatada com vida perto da Ponte Luiz I, por remadores do Clube Fluvial Portuense, a seis quilómetros do local.

O tribunal "deu como provado" que, na altura, a arguida se encontrava "perturbada psiquicamente" e que queria matar o filho, André, de seis anos, tendo saído casa com o intuito de o afogar e de se suicidar depois.

"Escreveu bilhetes dizendo que era isso que queria fazer", referiu o tribunal.

Anabela Fernandes, então com 34 anos, saiu de casa com o filho e deslocou-se de carro até àquela zona junto ao rio Douro. Depois de estacionar o carro, o filho caiu ao rio, acabando por se afogar, em circunstâncias que o Tribunal alega não ter sido possível apurar.

"A arguida nada fez" para evitar o que aconteceu, refere a sentença lida hoje por uma juíza.

Também "não se provou" quando e como foi a criança parar ao rio.

O Tribunal entendeu que "não se fez prova suficiente" de que foi a mulher que atirou André para o Douro, mas "também não acredita" que o menino se afogou por si e que a mãe tentou socorrê-lo.

A juíza explicou que, à luz do que foi apurado e do "quadro clínico" que a mulher apresentava naquela altura, o tribunal considerou estar-se perante um crime de homicídio com "dolo eventual".

A arguida encontrava-se num "estado depressivo acentuado e de grande fragilidade emocional", o que levou o tribunal a decidir condená-la a cinco anos de prisão, com pena suspensa.

"O que foi preponderante para a pena foi que a arguida se encontrada perturbada psicologicamente" e frágil no plano emocional, reforçou a juíza.

A magistrada referiu que Anabela Fernandes "tem de se sujeitar a um forte acompanhamento médico".

O advogado da arguida, José Figueiredo, informou que vai agora "analisar o acórdão" proferido hoje e, em função disso, ponderar um possível recurso ou aceitar o que o tribunal sentenciou.

"Havia aqui a possibilidade de [a sua cliente] vir a ser condenada por homicídio simples e a possibilidade de haver uma atenuação especial" da pena face ao estado psíquico e emocional que a arguida apresentava, acrescentou José Figueiredo.

O advogado afirmou ainda que a mulher, que foi ao tribunal acompanhada pelo seu marido, "está a trabalhar, a fazer a vida normal, a ser acompanhada psiquiatricamente e a ser acompanhada pela Comissão de Proteção de Menores", porque tem uma filha menor, com dois anos.

"Ela é acompanhada" desde que o filho André morreu e a família "sempre a acompanhou", reforçou, considerando que "a pena dela foram estes quatro anos de sofrimento".

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
1 Comentário
  • De lina jardim02.10.13
    Quando se rouba para dar de comer aos filhos não é caso de sofrimento ao ver os filhos com fome? No entanto vai logo preso por roubar!!!!!!!!!!Que país é este meu Deus!
    Responder
     
     0
    !

Mais notícias

Mais notícias de Portugal

Economia

Vice de Angola protege procurador no BCP

Vice de Angola protege procurador no BCP

Acusação do Ministério Público revela que Orlando Figueira só continuou a exercer funções no banco porque a contratação tinha sido feita a pedido do vice-presidente de Angola.

pub