Listas de espera para cirurgia caíram 35%

As listas de espera para cirurgia diminuíram 35 por cento nos últimos cinco anos, graças ao Sistema Integrado de Gestão de Inscritos para Cirurgia (SIGIC), que reduziu ainda a média de tempo de espera, segundo um relatório da OCDE.
04.02.13
  • partilhe
  • 0
  • +
Listas de espera para cirurgia caíram 35%
Tempo de espera médio para cirurgia caiu de oito para três meses Foto João Miguel Rodrigues

Intitulado "Políticas sobre os tempos de espera no setor da saúde", o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) dá conta das políticas dos governos da Austrália, Canadá, Dinamarca, Finlândia, Irlanda, Itália, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Portugal, Espanha, Suécia e Reino Unido contra as listas de espera.

Neste documento, é enaltecida a resposta que Portugal deu para diminuir o tempo de espera para os serviços de cuidados de saúde. No capítulo dedicado a Portugal, são enumerados os vários programas de combate às listas de espera, aplicados desde 1995.

Em relação ao mais recente, o SIGIC, os autores do relatório destacam o facto de este ter reduzido a média de tempo de espera para uma cirurgia em 63 por cento: de oito para três meses.

"A introdução do SIGIG foi associada a um incremento de cerca de 40 por cento da produção cirúrgica nos últimos cinco anos", lê-se no documento.

Este aumento da produção foi obtido através de três canais: incremento da produção durante o horário regular de trabalho dos profissionais, aumento da capacidade através de uma produção adicional das cirurgias nos hospitais públicos e mediante a contratualização de produção a hospitais privados.

Em 2011, a produção cirúrgica adicional no Serviço Nacional de Saúde (SNS) envolveu uma verba de 11,5 milhões de euros, enquanto 50,1 milhões foram pagos a unidades de saúde privadas e 1.006 milhões de euros para a atividade cirúrgica normal através do SIGIC.

No documento lê-se que o SIGIC providenciou uma solução para o problema do tempo de espera excessivo, numa área em que os outros programas - que apenas implicavam verbas adicionais para uma produção adicional - falharam.

Isto porque o SIGIC transfere os doentes que aguardam por uma cirurgia, há mais de 75 por cento do tempo máximo de espera, para um outro hospital, público ou privado.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
2 Comentários
  • De Joaquim Carreira Tapadinhas04.02.13
    Este é o país dos milagres que começaram a partir de 1917 com o aparecimento da Senhora de Fátima. As listas de espera diminuíram (de repente?) 35% em 5 anos.O que nos interessava saber é o que sucedeu no último ano.
    Responder
     
     10
    !
  • De aaapois04.02.13
    Em outra noticia nao relacionada 35% das pessoas na fila de espera morreram.
    Responder
     
     1
    !