Morta chamada para consulta

Maria da Piedade morreu em 2011, com 95 anos, e foi convocada para não perder médico.
Por Helena Silva|18.01.15
  • partilhe
  • 0
  • +
Morta chamada para consulta
Maria Susete Ferreira ficou em choque ao receber carta a convocar a falecida mãe para consulta Foto Rui Miguel Pedrosa

Maria da Piedade morreu, em 2011, com 95 anos. Foi, por isso, um choque para a família quando recebeu uma carta do Centro de Saúde da Marinha Grande pedindo à idosa que se apresentasse na consulta, sob pena de perder o médico de família.

A carta do Centro de Saúde refere não haver registo, "há mais de três anos", de que a idosa tenha contactado com "as unidades prestadoras de cuidados de saúde primários." E adverte que, caso não se apresente, perde direito ao médico.

A filha, Maria Susete Ferreira, de 71 anos, não esconde a indignação. "A minha mãe não podia apresentar-se porque morreu há três anos", sublinha, considerando este caso como "uma falha grave no funcionamento dos serviços." É que a mãe, acrescenta Maria Susete Ferreira, morreu no Hospital de Leiria.

Fonte da Administração Regional de Saúde do Centro explica que estas cartas, enviadas aos utentes, são "mera rotina de atualização de ficheiros" e que "a lista de utentes está no sistema que emite as cartas automaticamente."

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De fariseu18.01.15
    Para que serve o tão propalado cruzamento de dados? Só serve para cobrar impostos? Não foi em tempos, em anterior Governo, anunciado que os processos de saúde estavam em rede e disponíveis nas infraestruturas de saúde? Se isto for verdade só pode concluir-se que o sistema não está a funcionar. Repare-se que a prova disto está no facto da senhora ter morrido num hospital!... Estaremos perante mais uma trafolhice?
4 Comentários
  • De isabel196213.02.15
    E quem a manda emitir não tem os registos feitos... Estão a borrifar-se se a pessoa está morta! Ainda hoje, recebo os parabéns, para o meu marido, falecido em 2001, do Hospital Egas Moniz em Lisboa, serviço de dadores de sangue. Já lá vão 14 anos.... Fora as consultas não pagas em 2008, 2009, etc., etc,.... Um trabalho de profissionalismo agudo... Não se admirem! Hão-de chegar mais...
    Responder
     
     0
    !
  • De  Anónimo 18.01.15
    Situações tristes destas, infelizmente já acontecem há muitos anos.
    Responder
     
     2
    !
  • De  Anónimo 18.01.15
    isto e a fotografia real das nossas instutuiçoes actuais.e estao com a razao toda.eu tinha uns exames medicos que fiz.para serem vistos pelo medico de familia no centro de saude.so seria possivel dali a tres meses.eu perguntei se nao era muito tempo.ao qual eles responderam,,,nao nao muito normal,e sempre cheios de razao.
    Responder
     
     2
    !
  • De fariseu18.01.15
    Para que serve o tão propalado cruzamento de dados? Só serve para cobrar impostos? Não foi em tempos, em anterior Governo, anunciado que os processos de saúde estavam em rede e disponíveis nas infraestruturas de saúde? Se isto for verdade só pode concluir-se que o sistema não está a funcionar. Repare-se que a prova disto está no facto da senhora ter morrido num hospital!... Estaremos perante mais uma trafolhice?
    Responder
     
     4
    !