Sub-categorias

Notícia

Pilarete da EMEL danifica carros

Moradora protesta contra demora da empresa em dar resposta.
Por Cláudia Machado|12.01.17
"Agora, de cada vez que passo com um carro pelo pilarete retrátil, tenho medo que volte a danificar a viatura. É um sistema arbitrário e o tempo de espera para uma solução quando temos problemas é muito demorado." O desabafo é de Cláudia Pereira, de 38 anos, que esperou mais de 20 dias por uma resposta da EMEL, empresa municipal responsável pelos mecanismo de controlo de viaturas nos bairros históricos de Lisboa.

"No dia 20 de dezembro, passei o cartão de residente no leitor, recebi a mensagem ‘ok, boa viagem’ e avancei. Quando estava a passar, o pilarete subiu e danificou o cárter do carro", explica ao CM a moradora do Bairro Alto, a viver na zona há quatro anos. Nove dias depois, testemunhou um caso semelhante, que registou em imagem.

Sem carro desde o dia do incidente, e com um orçamento para o arranjo "superior a mil euros", Cláudia Pereira fez vários contactos para a EMEL, incluindo uma queixa no livro de reclamações e uma participação do incidente na PSP. E só teve resposta da empresa "depois de contactar os meios de comunicação social".

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De  Anónimo 12.01.17
    É apenas mais um exemplo replicado c/ esta e outras entidades. Quem é cidadão, tem direitos, liberdades e garantias, mas quem não pertence a este club (ESMAGADORA maioria dos portugueses), não tem! e não merece resposta ou atenção, e, em circunstancias normais só existem obrigações, não há direitos.
1 Comentário
  • De  Anónimo 12.01.17
    É apenas mais um exemplo replicado c/ esta e outras entidades. Quem é cidadão, tem direitos, liberdades e garantias, mas quem não pertence a este club (ESMAGADORA maioria dos portugueses), não tem! e não merece resposta ou atenção, e, em circunstancias normais só existem obrigações, não há direitos.
    Responder
     
     0
    !

Mais notícias

Mais notícias de Sociedade

Sociedade

Tolerância de ponto para ver Francisco

Tolerância de ponto para ver Francisco

Bispos recusam comentar, por a decisão não ter sido ainda comunicada oficialmente, mas dizem estar gratos ao Governo por esta prenda aos católicos portugueses.

pub