Sub-categorias

Notícia

Um milhão de portugueses cortam nos remédios

Custo impede 10,1% da população de comprar medicamentos prescritos pelos médicos.
Por Bernardo Esteves|11.11.17
Cerca de um milhão de portugueses (10,1% da população) não compraram medicamentos prescritos pelo médico no ano passado devido a motivos de ordem financeira. Os dados são do estudo ‘Um Olhar sobre a Saúde’, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), divulgado ontem. Portugal está acima da média dos países da OCDE, que é de 7,1%.

Gastos dos portugueses na saúde
Portugal é, segundo o estudo, um dos poucos países que reduziu a despesa com a Saúde entre 2009 e 2016, com uma variação negativa de 1,3%. Isto depois de um crescimento anual de 2,2% entre 2003 e 2009. O País gasta hoje 8,9% do PIB com o orçamento da Saúde, ligeiramente abaixo da média da OCDE de 9%.

"Já nos começamos a comparar com os países que oferecem piores cuidados de saúde", disse o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães. A comparticipação das famílias nos gastos em Saúde também tem vindo a aumentar. A despesa média corresponde a 3,8% do orçamento familiar, quando a média da OCDE é de 3%. O número de portugueses com seguro privado de saúde também subiu, abrangendo em 2015 cerca de 25% da população, quando em 2005 se ficava pelos 20%

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De Manuel11.11.17
    Que se as retirem as isenções de impostos patrimoniais e de rendimentos às igrejas e confissões religiosas (são muitos milhões de euros) e se use o dinheiro para ajudar os mais necessitados!
2 Comentários
  • De mannylifumba12.11.17
    mas que há de novo?a industria pensa em ganhar milhões com a necessidade de cura das pessoas que adoecem.......
    Não é um problema exclusive dos portugueses .por exemplo no país das amplas liberdades? muitas pessoas teem que escolher entre comer ou poder comprar alguns medicamentos que necessitam. É
    Responder
     
     0
    !
  • De Manuel11.11.17
    Que se as retirem as isenções de impostos patrimoniais e de rendimentos às igrejas e confissões religiosas (são muitos milhões de euros) e se use o dinheiro para ajudar os mais necessitados!
    Responder
     
     0
    !

Mais notícias

Mais notícias de Sociedade

pub