Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
2

Bela Túnis tem mercados, praias e muita história para conhecer

Culturas de um e do outro lado do mediterrâneo cruzam-se na capital da Tunísia desde que há memória.
Alfredo Leite(alfredoleite@cmjornal.pt) 20 de Abril de 2019 às 12:02
Túnis é a capital da Tunísia
As cores branco e azul tão tradicionais do mediterrâneo dominam Sidi Bou Said
A mesquita Al-Zaytua é a mais antiga de Túnis e exibe 160 colunas trazidas de Cartago
Azulejos nas ruínas cartaginesas
Túnis é a capital da Tunísia
As cores branco e azul tão tradicionais do mediterrâneo dominam Sidi Bou Said
A mesquita Al-Zaytua é a mais antiga de Túnis e exibe 160 colunas trazidas de Cartago
Azulejos nas ruínas cartaginesas
Túnis é a capital da Tunísia
As cores branco e azul tão tradicionais do mediterrâneo dominam Sidi Bou Said
A mesquita Al-Zaytua é a mais antiga de Túnis e exibe 160 colunas trazidas de Cartago
Azulejos nas ruínas cartaginesas
Tolerante, cosmopolita, decadente, paradoxalmente moderna e intelectualmente vibrante. Assim é a capital tunisina, uma urbe que se entrelaça com o Mediterrâneo e que, por isso, cruza culturas desde que há memória.

Em Túnis há um legado francês evidente na arquitetura, italiano na gastronomia e árabe em tudo. Na cidade onde nasceu a Primavera Árabe respira-se liberdade nas amplas avenidas. Um ambiente descontraído que apela à descoberta de uma cidade única e dos arredores desde La Goulette até Sidi Bou Said, passando por Cartago.

Na grande Túnis, onde vivem perto de um milhão de pessoas, reúnem-se história, vilas tranquilas, praias, mercados e uma vida cultural invejável.

Pacatez em branco e azul nos arredores da capital
É ao domingo que mais se sente a tranquilidade da vila branca e azul de Sidi Bou Said. Antiga vila- -farol, foi no ponto alto da povoação que os cartagineses criaram a fogueira gigante que orientava a navegação durante as guerras púnicas. Hoje, Sidi é um destino para tunisinos e estrangeiros onde abundam os restaurantes chiques e o alojamento local.

É igualmente uma zona que atrai artistas locais, o que explica a variedade de pequenas galerias que se espalham pela pacata localidade a uns 20 quilómetros da capital tunisina. A melhor e mais barata forma de chegar a Sidi é através do metro ligeiro que liga Túnis à zona balnear de La Corniche.

Antiga potência mediterrânica é hoje pacata zona residencial
Quem se aproxima da bucólica Cartago, ladeada de elegantes vivendas (incluindo a do embaixador de Portugal) está longe de imaginar que ali fermentou a potência comercial púnica que um dia ameaçou o império romano.

Desse tempo áureo, em que Cartago reunia quase meio milhão de pessoas, restam agora apenas ruínas com destaque para alguns azulejos que chegaram aos nossos dias em excelente estado.

A partir de Túnis a forma mais simples de chegar a Cartago é através do metro ligeiro TGM, com saída na estação Cartago Hannibal.

Ficha de Viagem
Como ir
Em meados de maio, o voo Lisboa/Túnis/Lisboa pela companhia Tunisair custa cerca de 200 euros. Para as mesmas datas a partir do Porto o voo de ida e volta custa 330 euros pela Lufthansa com escala em Frankfurt.

Onde dormir
No Royal Victoria, uma noite em quarto duplo custa 80 euros. Há opções mais baratas, mas esta junto à Medina é imbatível.

Onde comer e o que fazer
Dar El Jeld
É talvez o mais sofisticado restaurante de Túnis. Em plena Medina, há produtos orgânicos para provar e vinhos locais para descobrir.

Museu do Bardo
Impressionantes mosaicos romanos, joalharia ou peças da Grécia Antiga formam o portfólio do mais importante museu tunisino.

Grande mercado
Bouquets de legumes ou deliciosas saladas de azeitona s destacam-se entre os produtos frescos deste impressionante mercado.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)