Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
4

Vila do Conde: campo, mar e rio

Visita a uma cidade com um património rico que apresenta fortes tonalidades e contrastes.
Ana Isabel Fonseca 22 de Fevereiro de 2017 às 18:18
Convento de Santa Clara permite ter uma bela vista sobre parte da cidade
Igreja foi construída em honra do nosso senhor dos navegantes
Forte de São João Baptista protege foz do Rio Ave
Réplica de uma nau quinhentista junto ao rio
Museu de bilros tem exposição permanente
Monumento em honra aos pescadores que perderam a vida no mar
Rendilheiras de bilros mostram a sua perícia
Convento de Santa Clara permite ter uma bela vista sobre parte da cidade
Igreja foi construída em honra do nosso senhor dos navegantes
Forte de São João Baptista protege foz do Rio Ave
Réplica de uma nau quinhentista junto ao rio
Museu de bilros tem exposição permanente
Monumento em honra aos pescadores que perderam a vida no mar
Rendilheiras de bilros mostram a sua perícia
Convento de Santa Clara permite ter uma bela vista sobre parte da cidade
Igreja foi construída em honra do nosso senhor dos navegantes
Forte de São João Baptista protege foz do Rio Ave
Réplica de uma nau quinhentista junto ao rio
Museu de bilros tem exposição permanente
Monumento em honra aos pescadores que perderam a vida no mar
Rendilheiras de bilros mostram a sua perícia
Mergulhada num rico património de história e tradição, Vila do Conde é uma cidade de cores e contrastes. Apresenta uma grande diversidade ao nível da natureza, com ofertas para todos os gostos: campo, rio e mar. Chegou já a ser caracterizada como uma ‘aldeia em ponto grande’, isto porque o urbano mistura-se rapidamente com o rural, tornando a localidade num espaço ideal para desfrutar de alguns momentos de lazer.

As origens da cidade remontam a 1318, quando D. Afonso Sanches, filho bastardo de D. Dinis, fundou o Convento de Santa Clara. Este monumento fundamental do gótico português ainda hoje perdura e é, aliás, praticamente o cartão de visita da cidade. Do alto do convento, a vista é de cortar a respiração.

Para quem visita a cidade, a próxima paragem deverá ser o Forte de São João Baptista, localizado junto à zona das praias. Foi construído na Idade Média para proteger a foz do rio Ave e a população de Vila do Conde. O forte chegou a estar ao abandono, até que foi recuperado já no início da década de 90, dando lugar a uma unidade hoteleira.

E quando falamos da história de Vila do Conde temos imperativamente de falar da ligação das gentes da terra ao mar. Junto à zona ribeirinha damos de caras com uma réplica de uma nau quinhentista. Foi construída em 2007 e pretende retratar as naus portuguesas do século XVI, que foram usadas nas viagens para a Índia. É possível visitar o interior desta réplica e ficar assim a perceber exatamente como eram construídas e como se vivia nestas embarcações.

Deste local, os visitantes podem depois seguir para a Igreja do Nosso Senhor dos Navegantes, erguida precisamente em honra ao Santo Padroeiro dos pescadores das Caxinas. Logo ao lado é possível também ver um monumento que foi erguido em honra aqueles que perderam a vida no mar. São várias cruzes de ferro, que formam um barco.

Não podemos, no entanto, deixar Vila do Conde sem conhecer o Museu de Rendas de Bilros. Existe uma exposição permanente, onde é possível apreciar várias peças desta técnica artesanal. As rendilheiras mostram também no local a sua perícia a dedilhar os bilros. Este espaço é, assim, mais uma prova de que Vila do Conde é uma cidade pintada de história com muitos locais ainda por descobrir. 
Vila do Conde D. Afonso Sanches D. Dinis Convento de Santa Clara Forte São João Baptista Idade Média Ave
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)