Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
2

Durante o verão evite o sol nas horas de maior calor

Utilização de roupa de cor clara e de chapéu. Uso de óculos de sol com proteção contra todas as radiações.
Elsa Custódio e Rogério Chambel 23 de Junho de 2019 às 06:00
Protetor solar deve ser aplicado a cada duas horas de exposição solar. No caso das crianças, que têm pele mais sensível, são necessários cuidados redobrados
Banhos de crianças em praias e piscinas obrigam a vigilância permanente por parte dos nadadores- -salvadores e família
Protetor solar deve ser aplicado a cada duas horas de exposição solar. No caso das crianças, que têm pele mais sensível, são necessários cuidados redobrados
Banhos de crianças em praias e piscinas obrigam a vigilância permanente por parte dos nadadores- -salvadores e família
Protetor solar deve ser aplicado a cada duas horas de exposição solar. No caso das crianças, que têm pele mais sensível, são necessários cuidados redobrados
Banhos de crianças em praias e piscinas obrigam a vigilância permanente por parte dos nadadores- -salvadores e família
O verão começou na sexta-feira, mas o calor já se faz sentir em praticamente todo o território nacional há algum tempo e convida os portugueses a uma ida à praia.

A má exposição solar leva, por isso, a Direção-Geral da Saúde (DGS) a relembrar os cuidados a ter nesta época do ano. E o primeiro passa por evitar a exposição solar nas horas de maior calor: entre as 11h00 e as 17h00.

Crianças nos primeiros anos de vida, doentes crónicos, pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, praticantes de exercício físico e pessoas que trabalhem ao ar livre integram os principais grupos de risco e exigem maior atenção.
Entre as recomendações da DGS destaca-se a exposição direta ao sol durante os períodos de maior calor.

A autoridade da Saúde aconselha a população a não o fazer e recomenda a utilização de roupas leves e de cor clara, o uso de chapéu de abas largas e óculos de sol que protejam contra todo o tipo de radiações. A escolha do protetor solar deve ser adequada à idade e ao tom de pele.

É aconselhada a aplicação do creme a cada duas horas. No caso das crianças, que têm pele mais sensível, são necessários cuidados redobrados: o protetor solar deve ter índice 50+. A aplicação deve ser reforçada nas zonas mais sensíveis e expostas do corpo, com maior probabilidade de sofrerem queimaduras solares. Lábios, orelhas, contorno dos olhos, nariz, ombros, costas são por isso zonas a ter em atenção.

Em caso de queimadura solar, uma nova exposição ao sol é desaconselhada. Deve colocar compressas de água fria e, se necessário, recorrer a um centro de saúde. A hidratação do corpo é uma preocupação. Os especialistas aconselham a ingestão constante de água.

Picada de caravela-portuguesa origina dores fortes
O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) tem alertado, nos últimos dias, para a presença de caravelas-portuguesas nas praias. Uma picada deste organismo, mesmo depois de morto, provoca dores fortes, sensação de queimadura, inchaço e comichão.

Há também possibilidade de reações alérgicas graves. Em caso de contacto e/ou picada deste organismo, deve lavar a área afetada, sem esfregar, com água do mar e nunca com água doce. Deve aplicar vinagre e nunca álcool. Deve, também, retirar os tentáculos utilizando uma pinça. Dirija-se a um centro de saúde para tratamento.

Banhistas devem optar por espaços vigiados
A vigilância atenta e permanente é o método mais eficaz para evitar situações de afogamento, quer seja na praia, em lagos, rios ou até poços. As praias vigiadas por nadadores- -salvadores e que tenham bandeira azul - que atesta a qualidade da água - devem ser a primeira escolha. As brincadeiras das crianças junto ao mar com barcos, boias e colchões também merecem especial atenção já que há o risco de poderem ser arrastadas pela corrente. No que diz respeito às refeições, os banhistas devem optar por alimentos frescos e leves, como saladas, por exemplo.

Bolos, comidas com molhos ou produtos à base de leite e de ovos são facilmente alteráveis com o calor, pelo que é essencial a sua conservação em bolsas frigoríficas. A fruta é também um bom aliado para o calor, já que ajuda na hidratação do corpo.

Melancia e melão são as frutas mais populares do verão, ainda que obriguem ao uso de arcas para as conservar. Feita a refeição, a Direção-Geral da Saúde recomenda a que realize um compasso de espera de três horas antes de entrar na água.

Calor causa sonolência ao volante
No documento ‘Cuidados de Saúde’, da Direção-Geral da Saúde, a autoridade alerta também para os cuidados a ter na condução com o calor. As temperaturas altas são causadoras de sonolência. A DGS recomenda aos automobilistas que durmam antes de realizarem uma viagem mais longa e que façam pausas a cada duas horas de forma a conseguirem controlar o cansaço do corpo.

PORMENORES
Intervenções cirúrgicas
Caso tenha realizado um tratamento ou cirurgia há pouco tempo, deve certificar-se junto do médico se poderá apanhar sol. Há intervenções que implicam a não exposição solar durante três dias.

Protetor solar mineral
Os especialistas recomendam a não reutilização do protetor solar do ano anterior já que a proteção não é garantida. População com pele atópica deve optar por utilizar protetor solar mineral que atua como um espelho: reflete e dispersa os raios.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)