Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
4

Chardonnay e Pinot Noir entram na marca Argau

De uma região que não tem tradição na produção de vinho surgem dois espumantes interessantes.
Edgardo Pacheco 9 de Janeiro de 2017 às 23:44
O Argau Cuvée  Brutro  tem uma boa cremosidade na boca  Custa 9€
O Argau Cuvée Brutro tem uma boa cremosidade na boca Custa 9€ FOTO: Vítor Mota
Não é distração nossa. É só para cumprir a tradição e insistir na ideia de que o espumante é um vinho que não nasceu apenas para brilhar na noite da Passagem de Ano. Nasceu para nos acompanhar em muitas ocasiões. Como dizia o outro: em ocasiões felizes ou tristes, é, por diferentes razões, indispensável.

Como o período festivo é propício à prova de vários espumantes, falemos hoje de uma nova marca, muito curiosa a diferentes níveis: primeiro, vem de Sever do Vouga que, como se sabe, é território com mais aptidão para a produção de leite e mirtilos do que vinho (Morangueiro à parte) e, segundo, é feito por Adelino Teixeira, responsável de viticultura do famoso projeto Romaneira (no Douro).

Aliás, Adelino é conhecido no universo gastronómico como criador de um dos mais extraordinários azeites do País, e que leva o nome da quinta duriense.

De maneira que foi uma surpresa quando o viticultor deu a conhecer os seus dois espumantes feitos em Sever do Vouga: o Argau Cuvée Bruto (topo de gama) e o Argau Bruto, feitos com vinhas novas de Chardonnay e Pinot Noir. O primeiro (9 €), além da fruta (notas de maçã e de citrinos) tem cheiro de pastelaria, sendo que, na boca, a bolha é fina e cremosa. O segundo (7 €) é mais direto e menos sofisticado. Agora, em matéria de preços, digam lá se estamos perante vinhos caros.
Chardonnay Pinot Noir Argau vinho
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)