Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida
8

E o melhor capão à Freamunde come-se no...

Capão é um galo que foi castrado entre o 3º e o 4º mês de vida, passando os restantes meses do ano ao ar livre a comer só produtos naturais.
Edgardo Pacheco 13 de Dezembro de 2016 às 11:31
Restaurante Aidé
Restaurante Aidé FOTO: José Moreira

...Aidé, que é um restaurante com fama em Paços de Ferreira e arredores. O júri, coordenado pelo crítico Fernando Melo, entendeu ontem que, entre 12 capões a concurso, aquele que foi assado pelo cozinheiro Joaquim Gomes preenchia, em termos de sabor e de aspecto, todos os requisitos de um capão à Freamundo.  Ou seja, uma ave de grande porte, bonita na hora de aparecer à mesa, com carne suculenta e recheio de acordo com os cânones.

Como se perceberá pelo nome, capão é um galo que foi castrado entre o 3º e o 4º mês de vida, passando os restantes meses do ano ao ar livre a comer só produtos naturais: vegetais e cereais variados. A circunstância de ser capado aumenta-lhe a massa muscular, pelo que acumula um teor de gordura que faz com que seja muito mais saboroso. Se um peru é sempre seco, um capão de lei é sempre suculento.    

Como o Aidé tem ganho várias edições do concurso que é sempre feito em prova cega coloca-se a questão de saber que truque guarda a casa. Joana Pinto, filha de Fernando e Teresa Pinto, fundadores do restaurante, diz-nos que "o segredo é a conjugação de vários factores: seleção dos criadores, alimentação das aves, qualidade do recheio e técnica de assar".

O concurso de galo capão à Freamunde decore há 25 anos e é um assunto muito sério na região do Vale do Sousa, com discussões acaloradas sobre quem consegue produzir e/ou assar o verdadeiro galo capão. Nesta altura do ano ocorrem romarias aos restaurantes da região para provar uma ave inteira que, assada, pode estar marcada a €130 nas ementas (dá para satisfazer sete a oito bocas). Um animal vivo  pode deixar ao criador entre €50 a €80.

Este ano os criadores de galos capões estão em festa porque a ave criada na região tem, finalmente, o estatuto comunitário de Indicação Geográfica Protegida. Se antes havia o risco dos consumidores comprarem eventualmente uns bichos criados à pressão, agora existe um caderno de encargos e uma entidade certificadora para garantir que os capões da região cumprem normas específicas. A partir de agora poderemos comprar carcaças inteiras devidamente embaladas e certificadas.

Claro que, por ser caprichoso e criado ao ar livre, a oferta de capão é sempre inferior à procura, mas, ainda assim, e de acordo com Ricardo Graça, presidente da Associação dos Criadores de Capões de Freamunde, a tendência é para aumentar o número de criadores desta ave.  "Por ano", estima o responsável, "criam-se à volta de 2400 galos capões".  São poucos animais face à procura que tende a ser cada vez maior a nível nacional.  "Há gente de Lisboa tão fanática por isto que faz encomendas por táxi". Perdão!? "Pois, pois é, as pessoas juntam-se e quando há uma encomenda jeitosa vai um táxi de Paços de Ferreira levá-los a Lisboa. Já houve táxis que se fizeram à estrada com 9 e 10 capões limpos e prontos a entrar para o forno".                          

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)