Barra Cofina

Correio da Manhã

Boa Vida

Um Taylor's criado no jardim

A Quinta de Vargellas é um dos mais bonitos territórios do Douro.
Edgardo Pacheco 19 de Janeiro de 2018 às 10:00
Na colheita de 2015 temos notas de mirtilos, compota e chocolate. Com uma boca longa. 60 euros
Na colheita de 2015 temos notas de mirtilos, compota e chocolate. Com uma boca longa. 60 euros FOTO: Direitos Reservados
A China é, como facilmente se imagina, o maior produtor mundial de chá. E para satisfazer o consumo interno e a procura mundial, também se imagina que grande parte da produção tem caráter industrial, quer nas plantações, quer nas próprias fábricas.

Sucede que, em simultâneo, existem núcleos de produção que os chineses classificam como jardins - não como campos, quintas, herdades ou fazendas. Os chás imperiais (a qualidade suprema em matéria de chá chinês) são sempre vendidos com o nome do jardim que lhes deu origem. E quem é apreciador de chá sabe que vai pagar mais por uma embalagem que tenha a indicação do jardim em causa.

Quando medito sobre este sistema, fico a pensar que o Douro deveria vender as suas quintas neste registo. Vender os seus vinhos como produtos de jardim. Para o mercado asiático, isso faria muita diferença. São consumidores que apreciam a dimensão estética dos territórios de produção.

Ora, se eu tivesse de escolher um vinho para mostrar o conceito de jardim seria este Taylor's Porto Vintage Vargellas, de 2015.

Pertencente ao universo Fladgate Partnership, a Quinta de Vargellas é um dos mais belos territórios agrícolas do País, visto que o homem conseguiu manipular a Natureza com tremenda delicadeza.

Quando provamos aquele que é o vinho emblemático da empresa, nunca deixamos de pensar no anfiteatro natural com os socalcos, o rio e o património edificado. Parecendo que não, faz diferença.
Taylor's Quinta de Vargellas Douro vinho
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)