Barra Cofina

Correio da Manhã

C Studio
9
C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Descubra o outro lado dos números

Para muitos, falar em números pode ser um verdadeiro pesadelo. Contudo, perceber o significado por trás dos valores numéricos pode ser algo verdadeiramente fascinante
16 de Setembro de 2020 às 10:30

A pensar exatamente em quem gosta de descobrir além do óbvio, listámos alguns factos e curiosidades interessantes sobre números - e não, não é tudo matemática e aritmética!


Factos e curiosidades sobre números


Dois - O menor número primo

O número dois é o menor e o primeiro número primo (já que todos os outros números pares são divisíveis por si, um e pelo menos por dois).


M77232917 - O maior número primo

Este número possui 23.249.425 dígitos. É o maior número primo conhecido e foi descoberto em janeiro de 2018 por um computador no Tennessee.


Seis - O número perfeito

Na teoria dos números, um número perfeito é um número inteiro positivo igual à soma dos seus divisores positivos. Por essa regra, seis é o menor número perfeito. Confuso? Aqui está um exemplo para esclarecer:

1 + 2 + 3 = 6.

O próximo número perfeito não acontece até 28.


Nove - O número mágico

O número nove é considerado um número mágico. Mas porquê? Este é o motivo: se multiplicarmos um número por nove e somarmos os dígitos do novo número, o resultado da soma será sempre nove. Por exemplo:

8 x 9 = 72 | 7 + 2 = 9

Ou:

4 x 9 = 36 | 3 + 6 = 9

Incrível, certo? É verdadeiramente mágico. Cada combinação voltará sempre ao número nove. Nada como experimentar!


O desafio do sete, do 11 e do 13

Ao escolhermos um número qualquer de três algarismos e multiplicá-lo sucessivamente por sete, 11 e 13, algo de interessante acontece. O que será?

Por exemplo, o número 361.

361 × 7 = 2527

2527 × 11 = 27797

27797 × 13 = 361361

Quer isto dizer que aparece sempre (e repetido duas vezes) o primeiro número escolhido no resultado!

A título de curiosidade, a youtuber portuguesa Inês Guimarães cria conteúdo exatamente dentro desta linha, desafios matemáticos com o objetivo de descomplicar a área e explicar a lógica por trás da exatidão.


Quatro - O número da fobia

Também conhecido como tetrafobia, o número quatro é visto com desconfiança em grande parte do Leste asiático. O motivo? A palavra quatro soa semelhante à palavra morte em vários idiomas asiáticos, incluindo chinês, japonês ou coreano.


Sete - Um número cheio de significados

O sete é sem dúvida um número com muita história. Seja em que área for, o misticismo que envolve o número tem sempre um enorme significado.

Por exemplo, na indústria dos casinos, o número sete faz parte de uma lista de números (juntamente com seis, oito e 13) que está envolvida em superstições para os jogadores. Muitos acreditam que os números dessa lista podem ser uma boa notícia e garantir uma vitória ou, em situação inversa, anunciar uma grande derrota.

Fora dos jogos, o número também representa um certo misticismo para várias culturas. Na Grécia Antiga, pensavam que o sete era um número da sorte. Pitágoras considerou que o sete era o número perfeito. O sete era também o número de deuses romanos, egípcios, das maravilhas do mundo da Antiguidade, dos antigos budas, e deuses japoneses da boa fortuna.


Treze - um número com sorte ou azar?

Todos sabemos que o número 13 é considerado o do azar (que o diga Daniel Silva, ciclista que sofreu uma série de contratempos na Volta a Portugal de 2014). Contudo, existem algumas razões pelas quais o número é tão supersticioso. Uma é que havia 13 pessoas na Última Ceia; tradicionalmente existiam 13 degraus para subir a uma forca; um grupo de bruxas geralmente tinha 13 membros; e por fim, quem é que nunca ouviu falar da alegoria da sexta-feira, 13?

Contudo, não é apenas de azar que é feito o número 13. No amor acredita-se que o número é um dos que mais representa simbolismos, coincidências e que tudo acontece por uma razão.


Zero - será mesmo um número?

Na Grécia Antiga, os mestres matemáticos consideravam o zero como um conceito, e não como um número. Aristóteles decidiu que zero não era um número porque não podia ser dividido por zero.

Além disso, zero era o único número que não tinha uma representação romana. Em vez de um número romano, a palavra latina nula era utilizada para representar o conceito de zero. O motivo de não existir um número para zero é porque não havia a necessidade de um número que não tinha significado.

Com efeito, nada como este género de curiosidades para nos deixar a pensar. A verdade é que os números não são apenas números, muitos deles têm histórias e significados que correspondem a muitos dos episódios do dia a dia.

Pelo menos, da próxima vez que questionarem qual é o maior número primo, não há como errar!