Barra Cofina

Correio da Manhã

Carta da Europa
7
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

A crise de uma geração?

A economia europeia, mais que nunca, vai precisar da iniciativa, da inovação e da criatividade dos mais jovens.
9 de Maio de 2020 às 07:02
Lídia Pereira, eurodeputada
Lídia Pereira, eurodeputada
Lídia Pereira, eurodeputada

A crise sanitária que enfrentamos não tem precedentes nas nossas vidas e o impacto económico das inevitáveis medidas de combate vai conduzir-nos para uma recessão económica severa. Nenhum modelo de previsões consegue antecipar a sua dimensão, mas chegamos a falar de 15% do PIB europeu. 

Isto significa que a UE pode perder o equivalente a 10 vezes o valor da economia portuguesa. É um desafio avassalador para a União, para o Euro, para as finanças públicas dos Estados-Membros e acima de tudo para milhões de europeus que arriscam perder os seus empregos e as suas empresas.  

Em fevereiro, a UE registava um desemprego de 6,5%, o valor mais baixo em 20 anos. Em março, só em Portugal, 53 mil pessoas ficaram desempregadas, mais 34,1% que no mesmo mês em 2019. E sabemos bem quem são os primeiros desempregados: os mais jovens.  

A Comissão Europeia propôs a criação do SURE, uma resposta imediata para ajudar a manter os rendimentos dos trabalhadores e apoiar as empresas em maior dificuldade. Mas, no médio-prazo, a minha geração vai precisar da União que lançou iniciativas como a Garantia Jovem, que apoiou milhões de jovens a ingressar no mercado de trabalho. 

Para ultrapassar esta nova crise, a economia europeia, mais que nunca, vai precisar da iniciativa, da inovação e da criatividade dos mais jovens. A União e todos os europeus contam connosco para combater uma crise que até pode ser a maior das nossas vidas, mas não pode comprometer o futuro de uma geração.

Lídia Pereira lidera combate europeu na adaptação às alterações climáticas

Escolhida entre os colegas de bancada para a tarefa, a eurodeputada tem destacado o combate à desertificação, problema que afetará gravemente os países do Sul da Europa e Portugal em particular.

A adaptação significa antecipar os efeitos adversos das mudanças climáticas e tomar as medidas necessárias para prevenir ou minimizar danos. Uma ação precoce, bem concertada e planeada permite economizar recursos e salvar vidas.