Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
9
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Acessibilidade no Rock in Rio: Santa Casa apoia pessoas com deficiência

A mais antiga instituição social do País esteve mais uma vez presente no festival.
23 de Junho de 2022 às 15:03
A oficina de cadeira de rodas funciona em pleno no evento
Este ano, os concertos tiveram interpretação em Língua Gestual Portuguesa
A oficina de cadeira de rodas funciona em pleno no evento
Este ano, os concertos tiveram interpretação em Língua Gestual Portuguesa
A oficina de cadeira de rodas funciona em pleno no evento
Este ano, os concertos tiveram interpretação em Língua Gestual Portuguesa

O Rock in Rio regressou a Lisboa e nesta edição de 2022, a Santa Casa esteve mais uma vez presente no festival, possibilitando que o evento seja acessível a pessoas cegas, surdas e com mobilidade reduzida. O apoio oficial da Misericórdia de Lisboa ao Rock in Rio permitiu dotar o recinto de plataformas para pessoas com mobilidade reduzida (no Palco Mundo e no Galp Music Valley) e equipado como wc adaptados. Além disso, o Rock in Rio Lisboa 2022 conta ainda com um mapa tátil que passa informação relevante e indica as áreas reservadas a pessoas com deficiência, para além de haver uma intérprete de língua gestual portuguesa no recinto. Maria João Matos, diretora de Comunicação e Marketing da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, explicou ao CM a importância deste envolvimento da instituição no evento.

Correio da Manhã – Como surge o envolvimento da SCML com um evento tão particular como um Festival de Rock?
– A Santa Casa associou-se, mais uma vez, ao Rock in Rio em 2012 com o objetivo de se aproximar de um público mais jovem, não tão identificado com o trabalho desenvolvido pela instituição em áreas como a Saúde, Ação Social ou mesmo no apoio ao desporto. Desde esse momento, e prosseguindo um dos eixos estratégicos da marca Santa Casa, de apoio à Cultura e ao talento, a presença neste e noutros festivais foi-se adaptando com vista a criar ainda condições de acessibilidade que garantam a todos o melhor dos festivais.

– Esta parceria traduz-se em respostas inovadoras para o recinto de um festival de música. Quais são e em que consistem?
– No ano em que se assiste ao regresso em pleno dos festivais de música, a Santa Casa ajudará na modernização e melhoria das acessibilidades, através do desenvolvimento de acessos e áreas de mobilidade reduzida. Teremos também no local técnicos a garantir o apoio a pessoas com este tipo de dificuldades. Este ano, pela primeira vez num festival de música em Portugal, teremos ainda concertos com interpretação em Língua Gestual Portuguesa, o que representa mais um passo para garantir que se proporcionem cada vez mais espetáculos acessíveis e inclusivos, alcançando todos os públicos que frequentam estes eventos musicais.

– Quantas estruturas de apoio existem para pessoas com deficiência no recinto?
– Existem duas plataformas de mobilidade reduzida, no Palco Mundo e no Palco Music Valley. Para além dos WC’s adaptados em cada plataforma de mobilidade reduzida e em vários espaços, há ainda plataformas de apoio com características especiais, uma porta de acesso exclusiva na entrada principal, estacionamento exclusivo junto à entrada principal, uma oficina de apoio a cadeiras de rodas com a possibilidade de empréstimo de propulsores motorizados para cadeiras de rodas, um mapa tátil à entrada com informação sobre todo o recinto e o Espaço "Sinta o Som", localizado junto às colunas para as pessoas surdas sentirem a vibração das músicas e com presença de intérpretes de Língua Gestual Portuguesa.


"Cultura para todos"

Foi em 2012 que a Santa Casa começou a olhar para os grandes eventos como uma forma de dar a conhecer a um público menos identificado com a missão da instituição aquilo que esta desenvolve junto dos vários grupos da população. Por isso, o convite do Rock in Rio para firmar esta parceria nem sequer foi uma surpresa, conforme explicou Maria João Matos.

"A necessidade sentida de melhoria das áreas das acessibilidades foi, em grande parte, uma consequência natural daquele que é o trabalho de décadas desenvolvido pela Santa Casa no apoio às pessoas com deficiência, seja no Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, na Obra Social do Pousal ou em outros equipamentos da instituição direcionados para esta área. Pelo que não foi de estranhar o convite efetuado pela organização do Rock in Rio para que fosse a Santa Casa a assessorar este serviço tão necessário em qualquer festival."

Neste campo de ação, a Santa Casa promete não ficar por aqui. "Um dos pilares da Santa Casa é a promoção do acesso à cultura para todas as pessoas. A presença neste ou noutros festivais insere-se numa estratégia mais ampla que tem por base essa premissa e, nuns casos através da criação de melhores condições de acessibilidade para todas as pessoas, noutros apoiando festivais e outras iniciativas culturais menos mediáticas em comparação com o Rock in Rio. Ou seja, sim: sentimos que a nossa presença é importante e faz todo o sentido", reiterou a responsável.

Por Boas Causas

}