Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
5
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Prémios neurociências estão de regresso

A iniciativa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa pretende impulsionar a investigação em Portugal atribuindo um apoio no valor de 400 mil euros a projetos científicos em curso.
3 de Junho de 2021 às 09:56
A SCML atribui os prémios Neurociências, no âmbito das doenças do envelhecimento e das lesões vertebromedular, desde 2013
O provedor da SCML Edmundo Martinho cerimónia de atribuição dos prémios em 2019
A SCML atribui os prémios Neurociências, no âmbito das doenças do envelhecimento e das lesões vertebromedular, desde 2013
O provedor da SCML Edmundo Martinho cerimónia de atribuição dos prémios em 2019
A SCML atribui os prémios Neurociências, no âmbito das doenças do envelhecimento e das lesões vertebromedular, desde 2013
O provedor da SCML Edmundo Martinho cerimónia de atribuição dos prémios em 2019

Já estão abertas as candidaturas para a 9ª edição dos Prémios Santa Casa Neurociências, que serão atribuídos aos melhores projetos científicos na área das neurociências em desenvolvimento em território nacional. A aposta da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) começou em 2013. O objetivo é promover diretamente a investigação científica e médica de excelência, através da criação de uma das maiores bolsas para projetos em neurociências desenvolvidos nas universidades e institutos em Portugal, sendo aceites parcerias ou colaborações com instituições ou investigadores de outras nacionalidades, de acordo com o estipulado no regulamento.

O investimento anual de 400 mil euros feito pela SCML destina-se a promover o trabalho de investigação científica ou clínica nas áreas multidisciplinares das biociências, nomeadamente a neurologia, a neuropatologia, a bioquímica, a biologia molecular, a genética molecular, a química, a farmacologia, a imunologia, a fisiologia, e a biologia celular, entre outras.

Os prémios, de realização anual, dividem-se em duas categorias: Prémio Mantero Belard e Prémio Melo e Castro. Cada um deles traduz- -se na atribuição de uma bolsa no valor de 200 mil euros. A iniciativa constitui uma aposta ambiciosa no mérito e no valor da comunidade médica e científica, e tornou-se já uma referência no campo da Investigação & Desenvolvimento (I&D) nacionais.

Prémio Melo & Castro

O Prémio Melo e Castro, no valor de 200 mil euros, distingue o projeto que potencie a recuperação e tratamento de lesões vertebro-medulares, território em que a Santa Casa foi pioneira no país quando, em 1966, abriu o Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão. Este prémio foi implementado para promover a descoberta de soluções para a reabilitação de pessoas que sofrem destas patologias, reduzindo, de forma significativa, as limitações motoras e fisiológicas associadas.

Prémio Mantero-Belard

O Prémio Mantero Belard, também de 200 mil euros, tem como objetivo reconhecer e dinamizar a investigação científica ou clínica desenvolvida no âmbito das doenças neurodegenerativas associadas ao envelhecimento, como a Doença de Parkinson e a Doença de Alzheimer, possibilitando o surgimento de novas estratégias no tratamento e restabelecimento das funções neurológicas.

"É pela esperança na construção de uma resposta eficaz no tratamento de lesões vertebro-medulares, realidade com a qual a instituição lida diariamente, e pela autonomia e dignidade dos mais de 11 mil idosos para quem trabalha, que o desafio à comunidade médica e científica nacional é lançado", explica a SCML no comunicado de apresentação das bolsas. O desafio está lançado.

Júri avalia inovação e pertinência

A avaliação das candidaturas pelo júri é efetuada com base nos critérios, estipulados pelo regulamento. Entre os critérios contam- -se a originalidade e inovação do projeto de investigação; a exequibilidade do plano de atividades e métodos e da calendarização do projeto; a relevância, interesse e aplicabilidade dos resultados da investigação. É também avaliada a pertinência da investigação relativamente aos objetivos do concurso, bem como o mérito científico do investigador responsável, da equipa e a qualidade da Instituição onde o projeto é, maioritariamente, desenvolvido.