Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
3
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Tecnologia e ciência ao serviço do coração

No Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, há um centro especializado em doenças cardíacas que é sinónimo de inovação tecnológica e esperança, conceitos que em saúde andam cada vez mais de mãos dadas
8 de Abril de 2021 às 07:53
O cirurgião Luís Baquero
Imagens integradas facilitam escolha da abordagem cirúrgica
O cirurgião Luís Baquero
Imagens integradas facilitam escolha da abordagem cirúrgica
O cirurgião Luís Baquero
Imagens integradas facilitam escolha da abordagem cirúrgica

Com uma equipa liderada pelo médico Luís Baquero, o Heart Center tem vindo a assumir-se como uma referência, tanto no campo da cirurgia cardíaca minimamente invasiva como no acompanhamento integrado e na prevenção da morte súbita.

O Heart Center tem vindo a apostar fortemente na cirurgia minimamente invasiva. Em que percentagem dos casos se consegue operar fugindo à técnica convencional de ‘abrir o peito’?

Cerca de 95 por cento das cirurgias ao coração já são feitas por técnicas minimamente invasivas. Hoje em dia, a doença coronária pode ser tratada por método percutâneos, ou seja, por cateter, seja por cirurgia mini-invasiva com incisões de 5-6 cm na região mamária esquerda ou por baixo do braço, evitando assim abertura do esterno ou até, de uma forma multidisciplinar, juntado as duas técnicas. Esta técnica denominada ‘híbrida’ é rotina no nosso Heart Center e permite juntar os benefícios do tratamento percutâneo e da cirurgia mini-invasiva, conseguindo- -se assim um restabelecimento do fluxo coronário completo com mínima agressão cirúrgica e com excelentes resultados. Depois aliamos a inovação da técnica cirúrgica com a anestesia minimamente invasiva, que também é interessante do ponto de vista da melhoria da experiência do doente (ver caixa).

Quais as vantagens para quem é operado?

É muito menos agressivo para o doente, quer do ponto de vista físico, quer do ponto de vista psicológico. Há uma redução significativa do tempo de internamento e da necessidade de cuidados pós-operatórios, a começar logo pela própria cicatrização: uma ferida cirúrgica grande, como a de uma operação de peito aberto, tem um risco muito maior de infeção e obriga o corpo a um desgaste muito maior. Tudo isso conduz a uma recuperação mais rápida e o retorno quase imediato à vida normal. Depois há o fator psicológico: ter uma cicatriz de alto a baixo, a atravessar o tórax é um peso emocional grande que deixa repercussões. Ao diminuirmos a cicatriz, estamos também a diminuir esse impacto e a dimensão psicológica da doença.

Que patologias permitem este tipo de abordagem?

As doenças valvulares, os tumores cardíacos, doenças coronárias, as doenças da aorta e algumas doenças cardíacas congénitas, entre outras. O nosso centro tem também a vantagem de abordar estas patologias de forma integrada e holística, o que não acontece na maioria das unidades hospitalares. Aqui toda a equipa se senta para discutir qual o melhor tratamento. Juntos encontramos um tratamento personalizado para aquele doente, há uma abordagem única para cada caso nas diversas especialidades que o envolvem, porque são todos diferentes.

Permite tratar mais doentes de alto risco?

Tratamos inclusivamente doentes que são recusados noutros hospitais.

O Heart Center tem também uma abordagem única na questão da morte súbita. Há quase a ideia de que, nestes casos, não é possível fazer nada. Mas não é assim…

Abaixo dos 35 anos, a morte súbita deve-se a problemas congénitos. Mas é um problema quase sempre silencioso. Associado à prática desportiva intensa, tem alto risco e, por isso, recebemos muitos jovens atletas. Quando diagnosticado é algo que pode ser controlado com medicação e que pode até continuar a permitir a prática desportiva.