Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
7
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Ginecomastia: o aumento da mama no homem

A ginecomastia é o aumento do volume da mama masculina e, invariavelmente, causa grande desconforto ao homem, devido a questões do foro psicológico
1 de Dezembro de 2020 às 07:06


Redigido por Dr. Ângelo Sá (OM53188), Médico especialista em Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética no Trofa Saúde Amadora e Loures

A ginecomastia é o aumento do volume da mama masculina e, invariavelmente, causa grande desconforto ao homem, devido a questões do foro psicológico A ginecomastia poderá ser encontrada de forma unilateral (uma mama), bilateral (as duas mamas) ou, por vezes, de forma assimétrica. Pode surgir quer em idades precoces, como recém-nascidos e adolescência, quer na idade adulta. Trata-se de um desequilíbrio hormonal na relação estrogénio-testosterona.

Ginecomastia em lactentes: cerca de metade dos recém-nascidos do sexo masculino tem ginecomastia transitória secundária por efeito dos estrogénios maternos que se encontram na circulação sanguínea. Normalmente resolve até ao final do primeiro mês de vida.

Ginecomastia na puberdade: habitualmente deve-se a alterações hormonais durante a puberdade, sendo relativamente comum. Na maioria dos casos, o tecido mamário aumentado desaparece sem tratamento.

Ginecomastia nos homens: a prevalência da ginecomastia tem um pico novamente entre os 50 e os 80 anos de idade. Pelo menos um em cada quatro homens é afetado neste período.

O desequilíbrio hormonal na relação estrogénio-testosterona pode ser desencadeado por substâncias exógenas, de que se destacam os medicamentos. Destes, os mais frequentemente associados à ginecomastia são: antiandrogénicos usados na patologia prostática e alguns anti-hipertensores, como é o exemplo mais típico a espironolactona; os esteroides anabolizantes associados à prática de desporto nos ginásios; medicamentos antirretrovirais; antidepressivos, quimioterápicos e outros com menor incidência deste efeito colateral. As drogas de abuso, de que são exemplo o álcool, marijuana, anfetaminas e heroína, também poderão ser a causa do aumento do volume mamário. Outras condições de saúde como doenças endócrinas, insuficiência renal e hepática são causas raras.

Na consulta, perante as queixas de ginecomastia, o médico terá de avaliar o doente através de exame físico adequado, bem como a realização de análises ao sangue e ecografia mamária/mamografia. Desta forma, procura excluir outras causas de aumento mamário.

Geralmente, a ginecomastia não tem uma causa grave, porém é bastante perturbador para o homem, já que está associada a fatores psicológicos, como o embaraço na vida íntima, nas atividades desportivas e sociais.

A maioria dos casos regride com o tempo sem tratamento. Ou seja, em adolescentes sem causa aparente de ginecomastia, o médico pode recomendar reavaliações periódicas de 6 em 6 meses para verificar se a condição melhora por si mesmo. A ginecomastia geralmente desaparece sem tratamento em menos de dois anos. No entanto, pode necessitar de tratamento se não melhorar, ou se causar dores significativas, sensibilidade ou constrangimento.

O tratamento da ginecomastia assenta sobretudo na correção cirúrgica, dado que a medicação não é totalmente eficaz e tem por vezes efeitos colaterais desagradáveis.

A cirurgia para remover o excesso de tecido mamário compreende duas técnicas que são complementares. A lipoaspiração está indicada na remoção da gordura da mama através de pequenas incisões na pele, normalmente impercetíveis no pós-operatório. Se o aumento da mama também for causado por hipertrofia do tecido mamário do tipo glandular, então terá de se proceder à mastectomia com excisão do tecido por uma pequena incisão na margem inferior da aréola. Esta cicatriz será “escondida” pela transição natural da aréola para a pele do tronco.

No pós-operatório terá de usar uma banda compressiva torácica por quatro semanas. Poderá deambular, tomar duche, conduzir e fazer quase tudo a partir do dia seguinte. O exercício físico só está autorizado após as 4 semanas de pós-operatório.

Se este é um problema que o preocupa, aconselhe-se com o seu médico de confiança. No Trofa Saúde Amadora dispomos de um serviço seguro e um hospital confortável, para que possa realizar as consultas, os exames e os tratamentos que necessita em confiança.