Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
3
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

O estrabismo na criança e no adulto: perguntas & respostas

O estrabismo pode surgir em qualquer idade, sendo a sua causa, manifestações, tratamento e consequências visuais diferentes entre crianças e adultos
3 de Novembro de 2020 às 07:04


Redigido por Dr. Filipe Braz (OM47120), Oftalmologista no Trofa Saúde Amadora e Loures

O que é o estrabismo?
O estrabismo pode ser definido como um desvio do correto alinhamento ocular. Pode ocorrer com alteração dos movimentos oculares e pode afetar crianças ou adultos. As suas causas podem ser variadas e as consequências altamente incapacitantes para o doente.

Existem diferenças entre os estrabismos das crianças e dos adultos?
Sim, tanto a nível das causas como das consequências. Nas crianças, para evitar a imagem dupla proporcionada pelos olhos incorretamente alinhados, o cérebro opta por “esquecer” a imagem de um ou ambos os olhos, levando a uma situação de ambliopia, também conhecida como “olho preguiçoso”. Na realidade, não é o olho que está preguiçoso, é o cérebro que necessita de reaprender a ver com os dois olhos, sob pena de a criança se tornar um adulto com baixa visão num dos olhos. Quanto mais precoce se der esta reaprendizagem, melhores serão os resultados motores e funcionais e mais facilmente se corrige o estrabismo.

Por outro lado, nos adultos, o cérebro não tem esta capacidade de anular a imagem de um dos olhos, portanto o doente manifesta diplopia, imagem dupla, que, por vezes, torna impossível a realização de tarefas tão simples como pegar num objeto, ler, descer escadas/passeios ou conduzir. É importante referir também que muitos adultos apresentam estrabismo porque não foram corrigidos na infância, e mesmo nestes casos, existe sempre uma possibilidade de correção.

Além da importância funcional de corrigir o estrabismo, os aspetos estéticos são igualmente de valorizar. Sabemos que as pessoas com estrabismos muito manifestos têm, por exemplo, maior dificuldade em arranjar emprego, nomeadamente aqueles que impliquem contacto com outras pessoas. Existe ainda um estigma social muito marcado, infelizmente.

Como é feito o tratamento do estrabismo?
O tratamento do estrabismo pode ser médico ou cirúrgico, visando possibilitar um regresso à normalidade. Pode passar pela simples prescrição de óculos, de prismas, de oclusão ou penalização ótica, a administração farmacológica de toxina botulínica e a cirurgia.

Pode explicar um pouco melhor estes dois últimos métodos? São dolorosos?
O doente com a cirurgia pode sentir um desconforto inicial na primeira semana, mas são raríssimos os casos em que se recorre a analgésicos. São cirurgias realizadas em ambulatório, o doente tem alta no dia da cirurgia. Em relação à administração de toxina botulínica, essa pode ser inclusivamente administrada sem anestesia geral a adultos e crianças mais velhas. Quando tem de ser usada a anestesia geral, esta é breve, durante cerca de 5 minutos. Orgulhamo-nos de na nossa equipa de estrabismo termos a possibilidade de efetuarmos todas estas terapêuticas. Gostaria igualmente de realçar a importância do apoio dos técnicos de ortóptica, e felizmente temos integrado na equipa um ortoptista com experiência acumulada durante anos neste campo e com métodos de diagnóstico que são difíceis de encontrar noutros locais, como a avaliação das acuidades das visões em bebés.

Se tiver algum problema de visão, visite um médico especialista em oftalmologia para um diagnóstico e tratamento da sua situação. Não descure da sua saúde visual!