Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais C-Studio
7
Especiais C-Studio
i
C- Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do Universo
É o local onde as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

O meu joelho dói, e agora?

Ao longo da vida, quer pelo tipo de profissão, passado desportivo ou hereditariedade, o nosso corpo vai envelhecendo e desgastando as cartilagens que revestem as nossas articulações
24 de Dezembro de 2020 às 07:01


Dr. Jorge Pon (OM 45278), Coordenador de Ortopedia do Trofa Saúde Amadora e Loures e médico especialista em Ortopedia especializado em joelho

As cartilagens têm uma função essencial nas articulações, garantindo-lhes equilíbrio, estabilidade, proteção e sustentação.

É a cartilagem que funciona como amortecedor quando saltamos, é ela que permite mobilizarmos as nossas articulações livremente porque diminui o atrito entre as superfícies. Podemos imaginar que a cartilagem funciona como uma esponja.

Para além dos doentes que tiveram um traumatismo e têm uma razão para a origem das suas dores, muitas vezes vemos doentes na consulta por gonalgia (dor no joelho) de origem súbita sem qualquer história de traumatismo ou esforço. Estes, geralmente, são doentes que passam muitas horas a conduzir, muitas horas de pé, a subir e descer escadas, isto é, muitos movimentos repetitivos, que condicionam o desgaste progressivo da mesma zona da cartilagem. E este gesto feito ao longo de meses e anos faz com que a cartilagem comece a amolecer, a fissurar e a perder o seu espessamento, a ponto de chegar a uma altura em que deixa de existir cartilagem e o osso fica descoberto. Eis a razão do início da dor.

Daí ser necessário termos cuidado para que não se chegue a esse ponto, caso contrário entraremos em situações clínicas, muitas vezes, irreversíveis.

Como podemos fazer para impedir que isso aconteça?

• Devemos começar pela utilização de sapatos confortáveis para diminuirmos o impacto sobre a cartilagem. No caso da utilização de sapatos de biqueira de aço, pode-se optar pela colocação de uma palmilha de silicone.

• Quem passa muitas horas de pé deve ir alternando os pés em cima de uma caixa para ir aliviando o joelho de modo que a cartilagem possa restaurar o líquido e não “secar”.

• Quem passa muitas horas sentado deve evitar ter o joelho dobrado a mais de 90 graus, o que significa ter as nádegas acima do nível do joelho. Quanto mais dobrado estiver o joelho, mais pressão faz a nível da rótula, que condiciona futuramente a dor anterior no joelho.

• O peso é fundamental. Um quilograma a mais representa um esforço de mais 5 kg em cada joelho. E imagine-se só que para subir um degrau pomos o equivalente a oito vezes o peso do corpo em cima do joelho.

• Os praticantes de desporto, sejam jovens ou adultos, devem ir promovendo a alternância de desportos para não solicitar sempre o mesmo gesto e, consequentemente, sempre a mesma zona de desgaste. Nos jovens, a prática de vários desportos diferentes está, inclusive, associada a menor risco de lesões e maior desenvolvimento de outros skills.

• Não menos importante é o repouso associado a qualquer atividade. As cartilagens precisam de “arrefecer”. Cada vez se veem mais doentes a correr (em acumulado) uma maratona por semana durante meses, desafios de 100 burpees por dia, treinos bidiários durante semanas. Prudência!

Para os idosos que fazem as suas caminhadas diárias e que vão ao jardim/horta é uma atividade fundamental para manter as articulações a mexerem. Aproveito para deixar alguns conselhos importantes: se planear uma caminhada de 1 hora, faça uma pausa de 15/15 minutos. Se conseguir, faça caminhadas em dias alternados e outros exercícios nos dias de não caminhada (por ex.: bicicleta, exercícios com o peso do corpo ou elásticos, mobilidade, pilates, ioga).

Para além da terapêutica oral para o tratamento da osteoporose, o exercício físico é um dos fatores que mais previnem. E isto também se aplica às idas ao jardim/horta. Vá fazendo pausas ao longo do dia. Ninguém está a correr atrás de si, mas as suas articulações vão-se queixar se você não se preocupar.

No Trofa Saúde Amadora e Trofa Saúde Loures, hospitais não COVID, temos uma equipa de profissionais altamente especializados para cuidar da sua saúde num ambiente seguro e acolhedor.