Correio da Manhã

Linha do Oeste com cada vez menos horários adequados aos passageiros
Foto Carlos Barroso
Foto CMTV
Comboios
Foto Carlos Barroso
Comissão de Utentes acusa CP de desinvestimento. Empresa reconhece contratempos na manutenção
07:21
  • Partilhe
Desde 5 de agosto, entraram em vigor novos horários, com a redução do número de comboios diários.

Com pouca oferta de comboios, avarias constantes nas composições e a recente redução nos horários, a centenária Linha do Oeste continua a perder passageiros desde há décadas e concorre cada vez menos com o transporte rodoviário.

Ruben Santos é um dos mil passageiros que se deslocam todos os dias de Torres Vedras para Lisboa nos autocarros da empresa Barraqueiro Oeste, porque, explica à agência Lusa, nos comboios da Linha do Oeste "faltam horários" e as "viagens são mais demoradas" e "não são diretas" a Lisboa.

No terminal rodoviário, Ruben encontra autocarros da empresa Barraqueiro Oeste a saírem a intervalos entre os 10 e os 15 minutos, diretos ao Campo Grande, em Lisboa, onde chegam 40 minutos depois, por 6,25 euros.

A oferta é ainda complementada pela Rede de Expressos, com cinco horários durante a manhã, autocarros diretos a Sete Rios, em Lisboa, e a viagem a durar 45 minutos e a custar seis euros.

Na Linha do Oeste, tem apenas dois comboios durante a manhã, mas só o primeiro, das 06h15, segue para as estações de Sete Rios ou Entrecampos, em Lisboa, depois de passar em Meleças e Cacém, em Sintra. A viagem demora em média entre 01h20 e 01h30 e custa 5,65 ou 5,80. Com mudança de comboio em Sintra, a viagem chega às duas horas.

PUBLICIDADE
Já Maria de Jesus Ribeiro, de Caldas da Rainha, prefere o comboio para se deslocar todos os dias para trabalhar em Martinho do Porto, Alcobaça, mas, em declarações à Lusa, queixa-se da degradação do serviço, o que a obriga a viajar no autocarro da Rodoviária do Oeste.

"Sempre andei de comboio da Linha do Oeste. Como precisava de ir trabalhar para São Martinho, passei a comprar passe, que me custava 38 euros por mês. A viagem de comboio era 10 minutos de Caldas a São Martinho ou vice-versa. Depois começou a haver supressões e muitos atrasos nos comboios e perdia horas à espera. Como o comboio das 17h30 foi suprimido, tive de optar pela rodoviária e estou a gastar mensalmente 61,50 e demoro meia hora", compara.

Fátima Santos utiliza uma vez por semana o comboio entre Torres Vedras e São Martinho do Porto, onde costuma passar os dias de folga. Com a redução de horários, tem de regressar de autocarro para Torres Vedras.

Às queixas, Anselmo Silva, de Lisboa, junta o mau estado das composições, todas pintadas com 'graffiti', o que considera "indigno".

"Os passageiros não conseguem ver para fora do comboio e são transportados como gado", acrescenta.

PUBLICIDADE
A Comissão de Utentes da Linha do Oeste vai "insistir para que seja possível alterar horários já a partir de setembro, dado que muitas pessoas regressam de férias e há o início das aulas", de modo a ajustá-los às necessidades dos utentes, afirmou à agência Lusa Rui Pinheiro, utilizador e membro da comissão.

"Era importante que existissem mais serviços e mais horários não só para os estudantes, como também para quem trabalha diariamente. Caso contrário, as pessoas deixam de utilizar o comboio e vão à procura de alternativas", refere.

Desde 5 de agosto, entraram em vigor novos horários, com a redução do número de comboios diários, uma forma de, segundo a comissão, minimizar as avarias e as supressões de comboios que havia com mais frequência antes dessa data.

Ainda assim, na passada quarta-feira, por exemplo, cinco comboios foram suprimidos porque uma composição avariou, de acordo com a comissão.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE