Correio da Manhã

Sobe para seis o número de mortos do surto de legionella
Foto Lusa
Hospital São Francisco Xavier
Foto CMTV
Legionella
Por Lusa | 12:08
  • Partilhe
Já foram confirmados 56 casos de infeção.

O surto de 'legionella' no Hospital São Francisco Xavier, Lisboa, provocou mais um morto, elevando para seis o número de vítimas mortais, segundo um comunicado da Direção-geral da Saúde (DGS).

Numa nota datada de dia 3 de dezembro, a diretora-geral da Saúde lamenta a morte de um homem de 87 anos que estava internado no hospital Egas Moniz e que é a sexta vítima mortal do surto de 'legionella' no Hospital São Francisco Xavier.

Segundo o comunicado da DGS, o doente tinha várias doenças associadas e estava internado desde o dia 7 de novembro, "estando em curso as diligências necessárias no sentido de esclarecer a causa do óbito".

No âmbito do surto de 'legionella' no São Francisco Xavier foram confirmados 56 casos de infeção, sendo que seis doentes acabaram por morrer. Há ainda outros cinco casos de infeção ainda em investigação epidemiológica e laboratorial.

Segundo a DGS, permanecem internados três doentes em enfermaria e dois em cuidados intensivos.

PUBLICIDADE
O surto de 'legionella' foi dado como terminado no dia 27 de novembro. O surto foi detetado no dia 3 de novembro.

A bactéria 'legionella' é responsável pela doença dos legionários, uma forma de pneumonia grave que se inicia habitualmente com tosse seca, febre, arrepios, dor de cabeça, dores musculares e dificuldade respiratória, podendo também surgir dor abdominal e diarreia. A incubação da doença tem um período de cinco a seis dias depois da infeção, podendo ir até 10 dias.

A infeção pode ser contraída por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água ou por aspiração de água contaminada. Apesar de grave, a infeção tem tratamento efetivo.

Veolia diz que degradação da torre nunca foi apontada pelos peritos
A empresa Veolia, responsável pela manutenção da central de trigeração do Hospital São Francisco Xavier onde foi detetada 'legionella', disse esta segunda-feira estranhar que as autoridades considerem o estado da instalação degradado pois isso nunca foi referido pelos peritos.

PUBLICIDADE
"Parece-nos estranho que o estado da torre seja qualificado como 'degradado' uma vez que não tivemos qualquer análise positiva à 'legionella' nos últimos anos", referiu a empresa, sublinhando que, após o alerta do surto, mobilizou uma equipa interna de técnicos internacionais para ajudar no esclarecimento da situação e que em nenhum momento foi referido que a instalação se encontrava degradada.

A Veolia respondia a perguntas da agência Lusa na sequência das afirmações da diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, que na semana passada, na comissão parlamentar de Saúde, revelou que os técnicos que investigaram o surto de 'legionella' no hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, encontraram deficiências na manutenção das torres de arrefecimento.

Graça Freitas disse ainda que os peritos detetaram condições de conservação propícias ao desenvolvimento de bactérias.

"De facto, por observação documentada, encontraram-se condições de conservação que seriam propícias ao desenvolvimento de bactérias", afirmou Graça Freitas.

Em resposta, a Veolia insiste que colaborou ativamente com as autoridades competentes e que "em nenhum momento este tema foi abordado", garantindo que "os procedimentos de manutenção praticados na torre são adequados, foram implementados corretamente e são perfeitamente rastreáveis".

"Em todo o caso, importa referir que, complementarmente, solicitámos também ao ISQ [Instituto de Soldadura e Qualidade], enquanto entidade independente e credível a nível nacional e internacional, que efetuasse uma análise aprofundada de toda instalação. Neste momento, aguardamos as conclusões desta análise", acrescentou a empresa.

PUBLICIDADE
Tal como havia feito na semana passada, a Veolia volta a insistir que, dentro e fora do perímetro do hospital, "existem muitas fontes possíveis de formação de 'legionella'" e que não teve conhecimento, por enquanto, dos resultados das análises realizadas em todas elas.

Na semana passada, a empresa defendeu que o âmbito da investigação devia ser alargado pois da sua parte não detetou nada que justificasse a dimensão do surto de ´legionella´, insistindo que apenas opera a central de trigeração e que há outros pontos que deveriam ser investigados.

"Parece-nos, pois, indispensável testar todos os sistemas de água: os depósitos de água, sistemas de água quente e fria, circuitos de climatização e a ETAR [Estação de Tratamento de Águas Residuais]", afirmou a empresa, em comunicado.

"Será ainda necessário testar eventuais fatores externos nas proximidades do Hospital. Acreditamos que todos estes elementos foram já testados e fazem parte do trabalho de investigação da DGS, cujas conclusões ainda não nos foram comunicadas", acrescentou.

No comunicado, a Veolia apontava, além do sistema de trigeração de cuja manutenção é responsável, outros sete pontos, entre eles uma fonte urbana fora do perímetro do hospital e o circuito de difusão de ar, a estação de tratamento de ar e o sistema de água quente sanitária da unidade hospitalar.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE