Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto

Portugal tem mais cientistas que Espanha mas menos dois mil milhões de euros de financiamento

Frederico Gama Carvalho, da Organização dos Trabalhadores Científicos, diz que despesa em investigação e desenvolvimento deveria ser aumentada.
Lusa 4 de Abril de 2019 às 15:26
Cientistas
Ciência
Cientistas xxx
Cientistas
Ciência
Cientistas xxx
Cientistas
Ciência
Cientistas xxx
Portugal tem mais investigadores que Espanha, em percentagem da população ativa, mas muito menos financiamento, segundo o professor Frederico Carvalho, que diz faltarem cerca de dois mil milhões de euros para igualar o país vizinho.

"Temos um sistema barato com uma produtividade científica que pode, por isso mesmo, surpreender", afirmou esta quinta-feira Frederico Gama Carvalho, da Organização dos Trabalhadores Científicos, durante o colóquio "Políticas Científicas 2019" que está a decorrer na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa.

Baseando-se nos dados disponibilizados pelo Eurostat relativos a 2017, o especialista sublinhou que, em termos de percentagem de população ativa, Portugal tem muito mais investigadores do que Espanha e está um pouco acima da média da União Europeia. Comparando com Espanha, "o rácio é cerca de 50% superior", sublinhou.

No entanto, o investimento fica muito abaixo. "A despesa 'per capita' de investigador ETI (equivalente a tempo integral) é quase três vezes inferior à media da União Europeia e cerca de 55% do correspondente valor para Espanha", lamentou.

Através de um "cálculo simples", o especialista concluiu que tendo em conta o número de investigadores em Portugal, a despesa em investigação e desenvolvimento (I&D) "deveria ser aumentada em dois mil milhões de euros para que o rácio igualasse o espanhol ou cerca de 4,6 mil milhões para atingir o valor médio da União Europeia".

Outro dos pontos focados foi o gradual aumento da verba investida pelas empresas em I&D e o seu real significado. Dois dos oradores presentes questionaram se o trabalho feito por muitas das grandes empresas pode ser definido como investigação.

"Pode duvidar-se do rigor com que são aplicados os critérios que devem definir como atividade de I&D uma determinada atividade", começou por afirmar Frederico Carvalho que, em declarações à Lusa, classificou como "uma burla" a investigação que as empresas dizem fazer, porque "ninguém verifica a sua veracidade".

Ana Delicado, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, lembrou que na Europa, mais de 60% do investimento em I&D é feito pelas empresas e em Portugal ronda os 50%.

No entanto, as "maiores produtoras de I&D" em Portugal são empresas da área financeira e informática, tais como a Meo Altice, Sonae, NOS, BCP e BPI e duas farmacêuticas, acrescentou a investigadora.

"A despesa em I&D está muito inflacionada, porque contam como I&D muitas coisas que são rotineiras. Fazer algoritmos para o BCP é I&D?", questionou, considerando que esta "não é uma despesa que puxe Portugal para grandes inovações tecnológicas".

Um dos resultados desta realidade poderá ser o baixo registo de patentes, lembrou Ana Delicado, salientando o elevado número de publicações em contraponto com "o registo de patentes, que não mexe".

Para Ana Delicado, a explicação é simples: "Como as nossas empresas que fazem I&D não criam produto, as patentes têm-se mantido resilientemente baixas".

Enquanto a média da UE é de mais de 100 patentes por milhão de habitantes, em Portugal o rácio está abaixo de 25.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)