Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

53 países querem prevenir o terrorismo nuclear

Durante a III Cimeira sobre segurança nuclear, a situação na Ucrânia e as relações entre os países ocidentais e a Rússia foram temas centrais.
24 de Março de 2014 às 20:02

Os países e organismos internacionais que participam na III Cimeira sobre segurança nuclear manifestaram a sua determinação em evitar ações de terrorismo nuclear e que esse armamento "caia nas mãos erradas".

Representantes de 53 países, incluindo os presidentes dos Estados Unidos e França, a chanceler alemã e os primeiros-ministros do Reino Unido, Itália, Japão e Canadá, encerraram esta segunda-feira o primeiro dia desta reunião, onde a situação na Ucrânia e as relações entre os países ocidentais e a Rússia foram temas centrais.

Os participantes "analisaram, na base de um cenário fictício mas realista, o que poderia suceder perante a ameaça de material nuclear cair em mãos erradas", informou em comunicado o ministério holandês dos Negócios Estrangeiros.

"Todos temos o mesmo objetivo: prevenir o terrorismo nuclear", assegurou por sua vez o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, antes de se deslocar ao Catshuis, a sua residência oficial em Haia, onde esta noite decorre a reunião extraordinária dos líderes do G7 (EUA, Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Canadá e Japão), que vai abordar as próximas medidas relacionadas com a crise na Ucrânia e a Rússia.

Para garantir os objetivos desta conferência, com a IV edição já anunciada para Washington em 2016, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon também anunciou a cooperação do sistema das Nações Unidas e agências especializadas.

De acordo com Ban Ki-moon, a ONU poderá colaborar no reforço do marco internacional de segurança nuclear, e na capacidade de os Estados detetarem e eliminarem o comércio ilegal de material radiológico e nuclear através das agências internacionais especializadas.

Numa referência à intervenção russa e posterior anexação da Crimeia ao seu território, o secretário-geral da ONU sublinhou que "as garantias fornecidas á Ucrânia no Memorando de Budapeste de 1994 foram seriamente comprometidas pelos recentes acontecimentos".

Ban Ki-moon sustentou ainda que "as implicações são profundas para a segurança regional e a integridade do regime de não-proliferação nuclear", antes de se referir à situação do Irão e Coreia do Norte, a quem pediu garantias para que a sua tecnologia nuclear seja apenas utilizada para fins pacíficos.

Haia Holanda III Cimeira sobre segurança nuclear terrorismo nuclear Ban Ki-moon ONU
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)