Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

Assange pede a Londres e Estocolmo que apliquem decisão da ONU

Fubdador do WikiLeaks está refugiado desde junho de 2012 na embaixada do Equador em Londres.
Lusa 5 de Fevereiro de 2016 às 13:30
Assange está refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012
Assange está refugiado na embaixada do Equador em Londres desde 2012 FOTO: Reuters

Julian Assange pediu esta sexta-feira ao Reino Unido e à Suécia para aplicarem a decisão de um grupo de trabalho da ONU que considerou a sua detenção arbitrária e apelou para a sua libertação.

"Cabe agora à Suécia e ao Reino Unido aplicar o veredicto", disse o fundador do Wikileaks num encontro com a imprensa através de vídeo-conferência em Londres.

Assange está refugiado desde junho de 2012 na embaixada do Equador em Londres por receio de ser extraditado para a Suécia, onde foi acusado de violação, e daí para os Estados Unidos, que o querem julgar pela divulgação de milhares de documentos confidenciais.

A decisão foi "uma vitória significativa que me fez sorrir", disse Assange, acrescentando que a decisão da ONU é "legalmente vinculativa.

Um porta-voz da ONU, Xavier Celaya, afirmou que "a decisão em si não é vinculativa, mas é-o indiretamente": Os países "não têm obrigações para com o grupo de trabalho, mas têm em relação às convenções (...), às suas próprias leis e compromissos (...9 pelo que a decisão é indiretamente vinculativa".

Questionado sobre a reação do ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Philip Hammond, que considerou a decisão da ONU "ridícula", Julian Assange disse considerar esse comentário "abaixo do nível que um ministro dos Negócios Estrangeiros deve usar".

Julian Assange Reino Unido Suécia ONU Wikileaks Xavier Celaya Philip Hammond política diplomacia
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)