Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
1

Câmara do Porto invoca interesse público no concurso do pavilhão Rosa Mota

Lusa 28 de Maio de 2015 às 13:34

A Câmara do Porto e a empresa municipal Porto Lazer apresentaram em tribunal duas resoluções fundamentadas argumentando o interesse público para impedir a suspensão do concurso do pavilhão Rosa Mota até a providência cautelar de uma concorrente ser analisada.

No processo do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto (TAFP), que a Lusa hoje consultou, a Câmara e a empresa sustentam que "a paralisação automática" do concurso devido à "mera admissão de uma providência cautelar sem avaliação do mérito da mesma" prejudica o interesse público "de modo grave" e "irremediável".

"Se o procedimento ficar suspenso, o investimento [...] ficará irremediavelmente comprometido", alegam os advogados das duas entidades, no requerimento apresentado na segunda-feira, depois de, num despacho de sexta-feira, o TAPF ter aceitado analisar a providência cautelar interposta por uma empresa interessadas na gestão do pavilhão.

Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)