Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral

Anúncio foi feito em frente à escadaria da Assembleia da República.
Lusa 10 de Julho de 2019 às 17:45
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral
CGTP vai reclamar ao Presidente da República inconstitucionalidade da lei laboral

O líder da CGTP, Arménio Carlos, anunciou esta quarta-feira, durante uma manifestação nacional em Lisboa, que vai pedir uma reunião com o Presidente da República para reclamar a inconstitucionalidade da lei laboral quando o diploma chegar a Belém.

O anúncio foi feito em frente à escadaria da Assembleia da República, onde culminou a manifestação da CGTP contra as alterações ao Código do Trabalho, que partiu cerca das 15h00 da Praça da Figueira e chegou ao parlamento perto das 16h00.



Perante os manifestantes, Arménio Carlos afirmou que a CGTP "irá solicitar ao senhor Presidente da República uma reunião urgente para reclamar a declaração de inconstitucionalidade, quando a lei laboral revista der entrada em Belém".

Para o líder da CGTP, Marcelo Rebelo de Sousa "não pode dar o aval a normas que violam o princípio da segurança no emprego, da igualdade, o direito de contratação coletiva ou os direitos dos trabalhadores".

Também o deputado do Bloco de Esquerda, José Soeiro, presente na manifestação da intersindical, lembrou que o seu partido já assumiu que, caso o Presidente da República não peça a fiscalização preventiva da constitucionalidade da lei laboral, o seu partido irá fazê-lo após a publicação do diploma.

"Do nosso ponto de vista, ficando a norma do alargamento do período experimental, os deputados têm a obrigação de suscitar a constitucionalidade dessa norma", disse José Soeiro.

Já o líder do PCP, Jerónimo de Sousa, questionado pelos jornalistas sobre o mesmo assunto, não revelou para já se o seu partido avançará no mesmo sentido.

Segundo Jerónimo de Sousa, "pode não haver [inconstitucionalidade] do ponto de vista formal" nas novas normas do Código do Trabalho, mas há uma "violentação daquilo que é a constituição laboral".

O líder do PCP afirmou que a questão da constitucionalidade de algumas normas da lei laboral, como o período experimental, "ainda não foi considerada" pelo partido, uma vez que falta ainda mais de uma semana para a votação final das alterações propostas pelo Governo, o que deverá acontecer dia 19.

Já o deputado José Luís Ferreira, do Partido Ecologista Os Verdes, lamentou que o PS tenha perdido "a oportunidade" de retirar da lei laboral "os aspetos mais negativos que foram herdados do Governo anterior".

As alterações ao Código do Trabalho, que estiveram a ser votadas no grupo de trabalho parlamentar da especialidade, deverão ir a plenário dia 19.

Entre as medidas mais polémicas e que mereceram os votos contra do PCP e do BE estão o alargamento do período experimental para jovens à procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração, o banco de horas grupal e a duração dos contratos de curta duração.

Durante a manifestação da CGTP desta tarde, as palavras de ordem entoadas pelos participantes foram maioritariamente direcionadas para estas medidas. "Período experimental só é bom para o capital" ou "bancos de horas, rejeitar sem demoras" foram das palavras de ordem mais ouvidas durante a manifestação da CGTP.

As alterações ao Código do Trabalho foram aprovadas na generalidade há cerca de um ano com os votos favoráveis do PS e do PSD, a abstenção do CDS e votos contra do BE e do PCP, depois de um acordo na Concertação Social assinado entre o Governo, a UGT e as confederações patronais.

CGTP BE Belém Lisboa José Soeiro PCP Jerónimo de Sousa Governo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)