Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

Cientistas analisam compostos de parasitas que podem servir de ferramenta contra o cancro

Além de um parasita presente em alimentos crus, investigadores estrangeiros estão a analisar o "potencial" do parasita 'Echinococcus granulosus' que causa o quisto hidático.
Lusa 13 de Maio de 2019 às 17:45
Cientistas xxx
Cancro
Cancro
Cientistas xxx
Cancro
Cancro
Cientistas xxx
Cancro
Cancro

Cientistas do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge e do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde estão a analisar a hipótese de alguns compostos de parasitas presentes em alimentos serem uma "ferramenta terapêutica contra o cancro".

"Neste momento só temos a evidência de ue estes parasitas matam células em cultura. E, agora, vamos ter de estudar as vias pelas quais isto acontece, tentar usar extratos do parasita para avaliar a toxicidade e saber se realmente podem ser usados ou não como uma possível via terapêutica", disse hoje Mónica Botelho, cientista do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

Mónica Botelho, que falava à agência Lusa a propósito da compilação de artigos recentemente publicada na revista 'Frontiers' sobre a relação entre os parasitas e o cancro, salientou que apesar de esta ser "uma investigação ainda embrionária" já permitiu provar que o parasita 'Fascíola hepática' "consegue inibir o crescimento de células do cancro in vitro".

Além deste parasita, presente em alimentos crus como o agrião, alguns investigadores estrangeiros estão também a analisar o "potencial" de outro parasita, o 'Echinococcus granulosus', que causa o quisto hidático.

"Não podemos dizer às pessoas para comer alimentos infetados com fascíola, porque isto é um parasita e causa doença. O que estamos a tentar fazer é usar componentes do parasita no sentido de ter mais uma ferramenta terapêutica do cancro", referiu.

À Lusa, Mónica Botelho, também cientista no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), adiantou que os nove artigos publicados na revista científica 'Frontiers', que envolveram 37 especialistas da área, permitiram também salientar como três parasitas helmintas -- o 'Shistosoma heamatobium', o 'Opisthorchis vivernini' e o 'Clonorchis sinensis' - são "agentes que causam o cancro".

De acordo com a investigadora, o parasita 'Schistosoma heamatobium', endémico nas zonas de água doce da África e do Médio Oriente, está "associado ao cancro da bexiga" e os restantes parasitas, endémicos na Ásia como é exemplo a Tailândia, estão associados a um cancro "particular" do fígado, o Colangiocarcinoma (cancro dos canais biliares).

Tendo em conta os avanços científicos dados, Mónica Botelho acredita que é fundamental "perceber" como é que estes parasitas causam, promovem e dificultam o aparecimento de tumores nos seres humanos e, consequentemente, "desenvolver novas estratégias" para controlar, tratar e prevenir a malignidade associada à infeção.

"Só conseguimos controlar a infeção, impedindo e prevenindo as mesmas, mas, é muito difícil porque este é um problema cultural. Em África é cultural o contacto com a água, desde crianças a nadar nos lagos e rios às mulheres a lavarem a roupa, por isso, a infeção ocorre desde idade muito jovem. Por sua vez, na Ásia, o peixe cru da família das Carpas que contém o parasita é uma iguaria", referiu.

A investigadora acredita por isso que só através da implementação de "estratégias de informação e educação" junto das populações locais será possível evitar as infeções, acrescentando que simultaneamente é necessário "o tratamento das águas".

"Se houver água tratada, este problema não se põe, mas isto continua a ser um cenário que não se vê e as populações continuam a depender da água dos lagos e dos rios. Enquanto o problema da água não for tratado, não há nada a fazer. Isto é um problema que se perpetua", concluiu.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)