Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
5

Brasil quer CPLP moderna que responda aos anseios dos cidadãos

Países desta comunidade estão reunidos em Brasília.
Lusa 31 de Outubro de 2016 às 19:23
Michel Temer
Michel Temer FOTO: Fernando Bizerra/EPA

O Presidente do Brasil, Michel Temer, disse esta segunda-feira que o propósito da presidência rotativa brasileira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) é contribuir para uma comunidade moderna e que responda às necessidades dos cidadãos.

"O propósito da presidência brasileira é contribuir para uma CPLP moderna e afinada com as nossas reais necessidades", como fez a presidência de Timor-Leste e o secretário-executivo, Murade Murargy, disse o chefe de Estado brasileiro, ao discursar na sessão solene de abertura da XI conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP.

Michel Temer acrescentou que é para essa jornada que convida os países observadores, destacando: "a sua confiança na nossa capacidade jurídica e administrativa de produzir resultados nos estimula a seguir adiante".

Hungria, República Checa, Eslováquia e Uruguai foram aceites hoje, por aclamação, como observadores associados da CPLP, juntando-se assim à ilha Maurícia, Namíbia, Senegal, Turquia, Japão e Geórgia.

O Presidente do maior país da CPLP lembrou que a proposta da "presidência brasileira da comunidade é concentrar-se na Agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento sustentável".

"O seu desenvolvimento pleno nas suas vertentes económica, social e ambiental é uma exigência da cidadania em cada um dos nossos países", defendeu.

Michel Temer sublinhou que a população da CPLP quer "prosperidade e empregos, quer serviços públicos de qualidade e quer legar um planeta viável aos seus filhos e netos", defendendo que é para isso que a CPLP deve trabalhar.

O chefe de Estado do Brasil lembrou palavras da antiga primeira-ministra britânica Margaret Thatcher para dizer que "o dinheiro público nasce do dinheiro privado" e que" é preciso muitas vezes conter a despesa pública, porque você só pode gastar aquilo que ganha", considerando que estas palavras são atuais nos vários países.

Michel Temer disse ainda que a CPLP congrega cerca de 250 milhões de pessoas "unidas por fortes laços culturais, que trazem ao mesmo tempo símbolo da diversidade", vincando que essa é a força da CPLP e defendendo a "pluralidade na unidade e a unidade na pluralidade".

O líder brasileiro falou ainda no "orgulho" para a CPLP de ver António Guterres indigitado para secretário-geral das Nações Unidas e acrescentou que talvez durante o seu mandato seja possível "fazer com que o português consiga ser língua oficial da ONU", sendo aplaudido.

"Precisamos de uma diplomacia com pés no chão, mas com sede de mudança", advogou.

Antes, o presidente do Senado (câmara alta do Congresso) do Brasil, Renan Calheiros, disse que "as reuniões da CPLP englobam um número cada vez mais significativo" de áreas, desde "saúde e educação, até tecnologia e defesa", considerando que "é justamente esse escopo tão amplo que constitui o principal desafio da organização".

"A amplitude da nossa plataforma exige mobilização conjunta", para, "forma segura e democrática", contribuir para "o futuro da CPLP e a renovação dos seus objetivos", defendeu.

A cimeira dos líderes da CPLP decorre entre hoje e terça-feira e marca o início da presidência brasileira da organização nos próximos dois anos.

A CPLP reúne Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)