Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

Carlos Costa salienta urgência de equivalência de supervisão com PALOP

"Se não houver, os bancos portugueses nesses países têm de consumir mais capital", afirma.
Lusa 3 de Outubro de 2016 às 10:10
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal FOTO: José Sena Goulão/Lusa

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, salientou hoje a urgência de os bancos centrais lusófonos conseguirem a equivalência de supervisão, sob pena de encarecerem as operações dos bancos portugueses e assim dificultar o financiamento das economias.

"A relação entre os bancos centrais tem de contemplar a urgência da supervisão, que significa que se não houver essa equivalência os bancos portugueses nesses países têm de consumir mais capital para fazer o mesmo tipo de operações porque o nível de risco é maior, o que significa que o financiamento é mais caro e menos atrativo", disse Carlos Costa na intervenção de abertura do XXVI Encontro dos Governadores dos Bancos Centrais, que decorre hoje em Lisboa.

"É do interesse de todos que consigamos garantir o reconhecimento da equivalência", disse o governador, referindo-se às dificuldades originadas pelo facto do Banco Central Europeu não reconhecer a todos os países lusófonos a equivalência de supervisão, ainda que admita que "não é fácil porque cumprir as regras de Basileia II e III exige transformações nos sistemas bancários locais".

Carlos Costa salientou, no entanto, que "os benefícios superam de longe o custo do ajustamento", e lembrou que Portugal está "disponível para ajudar" porque é "parte da união bancária".

"Conhecemos as regras e fazemos parte da autoridade bancária europeia", afirmou.

governador do Banco de Portugal Carlos Costa Basileia Portugal macroeconomia banco central banca
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)