Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

Espanha elimina Portugal com golo de David Villa

Portugal acaba de ser eliminado do Mundial da África do Sul após ter perdido por 1-0 com a Espanha num jogo dos oitavos-de-final disputado na Cidade do Cabo. Bastou um golo de David Villa, minutos depois de uma desastrosa alteração táctica de Carlos Queiroz, retirando o perigoso Hugo Almeida para colocar Danny.
29 de Junho de 2010 às 21:25
David Villa marcou a Portugal
David Villa marcou a Portugal FOTO: EPA

David Villa marcou aos 63 minutos, depois de ser isolado pelo calcanhar de Xavi frente a Eduardo, que ainda fez uma defesa para a frente mas não evitou a recarga.

A desvantagem surgiu na sequência de vários lances de perigo ocorridos depois da alteração no ataque feita por Queiroz: o recém-entrado Llorente cabeceou na pequena área para a defesa do guarda-redes do Sporting de Braga e Villa atirou em arco ligeiramente ao lado. 

Mesmo antes de sair do relvado, Hugo Almeida ainda esteve perto de dar uma alegria a Portugal. Após uma arrancada em corrida pela esquerda, chegou à linha de fundo e tentou cruzar para Ronaldo, mas a bola embateu no joelho de Puyol, fazendo um arco que saiu a centímetros do poste mais distante com Casillas totalmente batido.

Para responder ao ascendente de Espanha Queiroz trocou Pepe e Simão por Pedro Mendes e Liedson aos 71 minutos. Antes disso já Eduardo negara o segundo golo ao defesa Sergio Ramos, com um remate cruzado que desviou para canto.

Aos 74 minutos houve novo capítulo do duelo particular Villa-Eduardo, com o reforço do Barcelona a enviar mais uma 'bomba' de longe para uma defesa de recurso do guarda-redes português.

Até ao final sucederam-se os contratempos: Llorente cabeceou ligeiramente ao lado aos 86 minutos e, já depois de David Villa ter direito aos aplausos da claque espanhola - apesar de Xavi ter sido considerado o Homem do Jogo -, Ricardo Costa foi expulso por alegada agressão a Capdevilla na grande área espanhola.

Cristiano Ronaldo, muito apagado na segunda parte, fez um remate muito fraco aos 89 minutos. Nos três minutos do prolongamento pouco mais sucedeu e quando o árbitro apitou pela última vez Eduardo tornou-se o rosto da desilusão portuguesa.

Primeira parte a duas velocidades 

Depois de minutos iniciais de algum pânico, com sucessivos remates perigosos à baliza defendida por Eduardo, Portugal ganhou iniciativa frente à Espanha e conseguiu algumas das principais oportunidades da primeira parte do jogo que define quem encontrará o Paraguai no sábado para disputar os quartos-de-final. 

Nos primeiros cinco minutos do Portugal-Espanha o único guarda-redes que ainda não sofreu golos no Mundial fez um punhado de grandes defesas a remates perigosos de Fernando Torres e David Villa (por duas vezes) que evitaram uma prematura desvantagem.  

Passado o sufoco inicial, Portugal subiu no terreno e ganhou dois pontapés de canto consecutivos. No último a bola subiu muito e sobrou para o desacompanhado Pepe, que em vez de tentar o remate procurou fazer uma assistência para a cabeça de Ronaldo.

Um remate à entrada da grande área espanhola de Tiago aos 19 minutos, que Casillas sacudiu para a frente, acabando por sofrer falta de Hugo Almeida, mostrou que a maré estava a mudar no duelo ibérico, ainda que Xavi quase tenha surpreendido Portugal com uma remate em ângulo difícil na sequência de um canto.

Já aos 27 minutos, após uma tentativa menos conseguida, Cristiano Ronaldo testou a Jabulani num livre directo marcado metros à frente do meio-campo, forçando Casillas a uma defesa de recurso.

Nenhum português chegou para a recarga, desperdiçando-se a oportunidade de inaugurar o marcador, tal como aos 39 minutos, quando Hugo Almeida cabeceou de forma defeituoso um cruzamento de Meireles em vez de deixar a bola seguir para Ronaldo.

As deficiências no jogo de cabeça voltaram a mostrar-se aos 42 minutos e Tiago cabeceou ao lado depois de uma jogada de contra-ataque em que Casillas teve de sair a correr da grande área para cortar a bola num momento em que Simão Sabrosa corria para a baliza espanhola.

Apesar da melhoria do ataque português, os campeões europeus em título nunca deixaram de procurar o golo. A barreira defensiva lusitana - com Pepe a dar grande apoio aos centrais - fez frente a quase tudo, mas uma perda de bola de Raul Meireles pouco antes do intervalo poderia ter saído muito cara.

Portugal

Eduardo; Ricardo Costa, Bruno Alves, Ricardo Carvalho e Fábio Coentrão; Pepe (Pedro Mendes 71'), Tiago e Raul Meireles; Simão (Liedson 71'), Cristiano Ronaldo e Hugo Almeida (Danny 58')

Espanha

Casillas; Sergio Ramos, Puyol, Piqué e Capdevilla; Xabi Alonso (Marchena 92'), Busquets, Xavi e Iniesta; David Villa (Pedro 87') e Fernando Torres (Llorente 58')

Ver comentários