Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

Estivadores do porto de Setúbal aprovam novo contrato coletivo de trabalho

Trata-se de um acordo "vantajoso para os trabalhadores" e que irá contribuir para a paz social no porto de Setúbal.
Lusa 23 de Maio de 2019 às 12:30
António Mariano, estivador
Estivadores
Manifestação de 5.ª feira junta estivadores portugueses e estrangeiros
Portos, postos de trabalho, emprego, estivadores
António Mariano, estivador
Estivadores
Manifestação de 5.ª feira junta estivadores portugueses e estrangeiros
Portos, postos de trabalho, emprego, estivadores
António Mariano, estivador
Estivadores
Manifestação de 5.ª feira junta estivadores portugueses e estrangeiros
Portos, postos de trabalho, emprego, estivadores

Os estivadores do porto de Setúbal aprovaram esta quinta-feira, por unanimidade, o acordo do novo contrato coletivo de trabalho negociado entre o sindicato e as entidades patronais.

Segundo o presidente do Sindicato dos Estivadores e Atividade Logística (SEAL), António Mariano, trata-se de um acordo "vantajoso para os trabalhadores" e que irá contribuir para a paz social no porto de Setúbal desde que "as entidades patronais cumpram o que foi acordado".

Questionado pela agência Lusa, António Mariano disse que, desde que os patrões cumpram, "a única situação que poderá provocar algum conflito laboral será uma eventual forma de luta em solidariedade com trabalhadores de outros portos nacionais", lembrando que, neste momento, há um conflito no porto da Figueira da Foz, com perseguição e discriminação a alguns estivadores filiados no SEAL.

No que respeita ao porto de Setúbal, o contrato coletivo de trabalho alcançado esta quinta-feira de madrugada, para além da integração nos quadros dos operadores portuários de 56 trabalhadores - que já tinha sido assegurando em dezembro de 2018 -, garante também o direito a um turno diário aos cerca de 80 trabalhadores eventuais que não foram integrados nos quadros de pessoal nos diferentes operadores portuários de Setúbal.

Em dezembro do ano passado, quando foi celebrado o acordo que viabilizou o regresso ao trabalho dos trabalhadores eventuais do porto de Setúbal que paralisaram a atividade portuária durante um mês, tinha sido acordado um prazo para negociação de um contrato coletivo de trabalho, prazo esse que foi prorrogado várias vezes e que culminou com esta última ronda.

Na origem do conflito esteve a situação de precariedade de cerca de 90% dos estivadores do porto de Setúbal, contratados ao turno e sem quaisquer regalias sociais durante mais de duas décadas.

A recusa dos estivadores contratados à jorna em se apresentarem ao trabalho, no final de novembro do ano passado, provocou atrasos significativos nas exportações de algumas das maiores empresas da região e do país, designadamente da fábrica de automóveis da Autoeuropa.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)