Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
5

Fiscais de parcómetros do Porto sem autoridade para fiscalizar e passar autos

Trabalhadores estão sem equiparação a "autoridade administrativa".
Lusa 29 de Maio de 2019 às 13:20
Cidade do Porto
Cidade do Porto
Cidade do Porto
Cidade do Porto
Cidade do Porto
Cidade do Porto
Cidade do Porto
Cidade do Porto
Cidade do Porto

Nenhum dos fiscais da concessionária de parcómetros do Porto pode "fiscalizar e levantar autos de contraordenação" por falta de pagamento, pois estão sem equiparação a "autoridade administrativa", revelou esta quarta-feira à Lusa a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

"No caso da empresa EPorto [concessionária desde 2016 do estacionamento pago na via pública da cidade do Porto] não foram credenciados quaisquer trabalhadores, atendendo a que não foi atribuída a equiparação a autoridade administrativa para fiscalizar e levantar autos de contraordenação por infração ao artigo 71.º do Código da Estrada", que fixa a proibição de estacionamento "por tempo superior ao estabelecido ou sem o pagamento da taxa fixada", disse à Lusa a ANSR.

Em 2016 foi publicada a regulamentação legal que a ANSR dizia ser necessária para qualquer empresa privada fiscalizar o aparcamento indevido, mas "até à data" foram equiparados a autoridade administrativa 11 trabalhadores em todo o país e nenhum no Porto, adiantou aquela entidade.

"A ANSR equipara os trabalhadores das empresas privadas concessionárias de estacionamento com funções de fiscalização a autoridade administrativa para fiscalizar e levantar autos por infração ao artigo 71.º do Código da Estrada. Neste contexto, até à data foram equiparados a autoridade administrativa para fiscalizar e levantar autos de contraordenação por infração ao artigo 71.º do Código da Estrada 11 trabalhadores", adiantou a ANSR em resposta a questões da Lusa.

Em novembro de 2016, a CDU do Porto alertou para a "fiscalização irregular" dos fiscais dos parcómetros.

A CDU reagia à proposta de equiparação dos fiscais a agentes de autoridade administrativa, aprovada em reunião do executivo e apresentada após a publicação, em Diário da República, da portaria que estipula as condições para os fiscais de empresas privadas poderem passar contraordenações.

Na ocasião, o gabinete de comunicação da autarquia portuense explicou à Lusa que a intenção era "adequar a atividade dos fiscais à legislação recentemente publicada".

O gabinete indicava ainda que a perspetiva era dar aos funcionários da EPorto "a possibilidade de, além de colocarem avisos, como sempre fizeram legalmente, proceder a autuações".

A Lusa questionou hoje a autarquia sobre este processo, mas não obteve resposta até ao momento.

Em maio de 2016, a ANSR revelou à Lusa que nenhuma concessionária do estacionamento na via pública pode fiscalizar o aparcamento indevido por ausência de regulamentação de uma lei de 2014.

A ANSR acrescentou, na ocasião, que nenhuma empresa podia "exercer a atividade de fiscalização", não podendo "levantar autos de contraordenação".

Após este esclarecimento, a EPorto alterou o texto dos avisos deixados aos infratores, retirando a referência à possibilidade de contraordenação caso a pessoa não salde o valor em dívida.

ANSR
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)